Thank you Fulbright

On April 9th, senator Fulbright is remembered (go to http://www.ThankYouFulbright.org for more information, or for submitting a thank you note yourself). I've taken this information from the Thank You Fulbright website:

Senator Fulbright was born on April 9, 1905. The Anniversary of his birth is our one-a-year chance to give thanks.

As Fulbright scholars, our lives and professional careers have benefited because of a Fulbright grant.

Between now and April 9, Fulbright scholars, grantees and alums from around the world can submit their thank you notes to the countries that hosted them or sent them on an international Fulbright experience.

The Fulbright program is funded by governments. In each of us, the governments invested tens of thousands of dollars for our professional development, and our careers benefited from it, so it is appropriate for us to say thank you.



And for the occasion, I've added my Thank You note here as well: To the Ambassador of Belgium to the United States,

How do I even start to express my gratitude towards the wonderful experiences I enjoyed as a Fulbrighter?

In 2008 - 2009, I spent a year in Atlanta, at the Georgia Institute of Technology. Even though I was thrilled to the core for this opportunity, I had no clue of what this year would bring me. I can try to sum it up in this random and widely ranging list: a broader and deeper understanding of my field of study, the passion for research, life-changing travel experiences, the love of my life, a broader perspective of life, the universe and everything - all drenched with large coffees, endless homework notes and random gatherings of all possible nationalities.

It's been a year to remember, and year that shaped me. From the lecture rooms to the coffee places, from the university campus to the heart of the city, from the city to the state of Georgia with its mountains and swamps, from the Southeast to the West coast - I wanted to experience it all, learn from it and grow. To be an ambassador of my quirky surrealist home-country and at the same rate, take in all the sights and sounds of my newer home, became my second nature.
Ever learning, ever trying to deeper understand everything at hand: engineering, but also the vibe of the enormous city that I landed - and from there escaping and setting out to explore even more. I earned my nickname Eva the explorer, and made exploring a purpose itself.

All this, just a fraction, in a nutshell of 365 days only - but enough to leave all previous assumptions touched and questioned. Endlessly I would like to repeat this mantra: "Thank you, thank you"

And again - thank you - for the impact it had on the course of my life is undisputed.

Alpkit Mission Pack Review

Well I don't know about you, but I'm finding I need more and more means by which to store small items, maps and books, especially when out hiking or camping.  I decided I wanted some simple storage devices that would protect against damp, especially when dropping stuff on the floor, which I do a lot of. But I also wanted something a little more convenient than just a Ziploc bag. Enter stage right the Alpkit Mission Pack.

There are four pouches in the pack, all different sizes and colours. The sizing is:


  • Small: 15cm x 11cm (12g)
  • Medium: 21cm x 14cm (16g)
  • Large: 29cm x 23cm (20g)
  • XLarge: 37cm x 29cm (30g)


  • The small pouch (orange pouch) could be useful for keys, change, credit cards and other small items. I find the second size up (red pouch) is ideal for my phone, wallet and similarly sized bits and bobs.The next up (blue pouch) is good for maps, small books etc. And the largest (black pouch) is good unfolded A4 documents, magazines, maps and similar. 

    One very useful feature, and the one that helped me make the decision to buy them is the addition of a small D-ring on each of the pouches. This makes the pouches very hand for attaching securely to the key clips found in the lid pockets of most rucksacks. This means the pouches can't fall out when the rucksack pocket is unzipped. The positioning of the zip on the pouches is also very good as it reduces the chances of anything falling out of the pouch when left unzipped.

    One thing to remember though, as Alpkit state on their website, the pouches may be made from siliconised cordura, but the zips and seams are not waterproof. So whilst fine against damp, a bit of rain or snow, they wont take a dunking.

    To be honest, I just like the fact that they are brightly coloured, store my items, protect them to a small degree and only cost £10 delivered. Alpkit receive a lot of praise that I have seen which would seem to be deserved so far.

    For more information and products (I have no ties to any company or item I review) here is the Alpkit web address: http://www.alpkit.com/shop/

    Boyd and Silva Martin Join Purina as National Ambassadors!


    Boyd and Silva Martin Join Purina as National Ambassadors
    Purina® horse feed fuels the Martins’ award-winning horses

    GRAY SUMMIT, Mo., March 19, 2012—Boyd and Silva Martin, rising stars in equine competition, have recently joined Purina® horse feed as its newest National Ambassadors. Purina National Ambassadors are riders and their equine athletes who compete in various international and local events. These top-performing equine athletes are fed a diet of various Purina® horse feeds. 

    As Purina National Ambassadors, Boyd and Silva Martin will participate in some of the country’s most illustrious eventing and dressage competitions, respectively, including the Rolex Kentucky Three Day Event, Badminton Horse Trials and Saumur Horse Trials. In five years of competition in the United States, the Martins have amassed an impressive number of achievements and bring a winning pedigree to the Purina National Ambassadors team.

    “It’s an absolute honor to be riding under the same banner as Beezie Madden, Laura Kraut and so many other equestrian sports leaders,” said Boyd Martin. “I feel results speak for themselves. I’m looking to see my horses succeed this year, thanks to the feeding technology of Purina® horse feed.”

    The Martins identified Purina® Ultium® Competition horse feed as a favorite for the performance horses in their barn. Boyd Martin noted that the three-day events in which he specializes require a significant endurance level, and Ultium® Competition horse feed helps provide his horses with the energy required to train for these demanding events. They also rely on Purina® Strategy® Professional Formula GX and Equine Senior® horse feeds for some of their other horses.

    “I’m riding some of the highest quality event horses in the world, and for them to compete at their best possible level, they need to be fueled by the best feed in the market,” said Boyd Martin. “And the best feed in the market is Purina® horse feed.”

    Starting this spring, the Martins will begin representing Purina at high-profile events. Boyd Martin is currently in contention to represent the United States at the 2012 Summer Olympics in London. He can be seen participating with several of his horses in the Rolex Kentucky Three Day Event on April 26–29. He also will compete in Olympic selection trials with one of his most promising horses, Neville Bardos, a 2011 United States Equestrian Foundation (USEF) Horse of the Year and USEF Eventing High Performance Training “A-List” member.

    Silva Martin also represents the United States in international events and was recently named to the USEF High Performance Dressage Developing List with Faye Woolf’s Stately. She has several horses of her own, including Jeff the Chef W, who is preparing to compete at the Grand Prix level.

    About Land O’Lakes Purina Feed, LLC
    Land O’Lakes Purina Feed, LLC (www.landolakesinc.com) is a national organization serving producers and their families through 4,700 local cooperatives and independent dealerships throughout the United States. The company, in combination with its wholly owned subsidiary Purina Mills, LLC, is North America’s leading feed company, providing producers, cooperatives and dealers with an extensive line of animal feed, ingredients and services designed to help agricultural producers, dealers and cooperatives compete in the global marketplace.

    For more information, contact:
    Sarah Hoffer 
    Colle+McVoy 
    612.305.6182 sarah.hoffer@collemcvoy.com

    Chris Goodwin 
    Land O’Lakes Purina Feed 
    636.742.6291 clgoodwin@landolakes.com

    A Visit From Theault-America

    We were able to catch up this week with sponsor, Theault-America, who have been kind enough to provide Boyd and Silva with one of their cutting edge horse boxes since November of last year.

    The concept of rear facing horse travel is new to this country, although strongly supported in the European community where it is recognized that horses travel much more comfortably in this position.  After all, their strength is in their hind quarters, so the ability to balance on "their engine" helps provide a much more secure ride for our four legged partners.

    The Morpheus horse box is more than a trailer, it a safe and secure way for both horse and rider to travel in comfort, offering every amenity to the serious amateur or busy professional.  The vehicle design is nothing like we have seen here in the US, and the company is looking to grow their US sales and distribution.

    Boyd and Silva have been instrumental in giving feedback to the company on the design of the existing 2 horse Morpheus and the 4 horse version which is planned for production in the near future.  To learn more about this cutting edge horse transportation company, please visit Theault-America's website , check out their new US brochure and come to visit them at Rolex Kentucky.

    Enjoy this fun video produced by Theault while working the circuit at WEF.

    Mike Calvin showing himself up a bit.

    I've not done a piece like this for a while, but I read something today that just made me think "what the actual f**k are you talking about?"

    Step forward Mike Calvin, Sports Writer of the year and Sports Reporter of the year twice over. In other words, he's a respected sports journalist. However you would be hard pressed to see why after reading his article in 'Life's a Pitch'.

    Now I have no problem with people airing their own opinions on anything as long as they're well thought out and balanced. When it comes to football, this rarely happens though and there have been a few articles in the past where I have felt the need to set the record straight in my own small and rather insignificant way on the blog.

    City fans were extremely critical of the press last season as they almost continually printed articles that showed City in a negative light. At the start of this season it appeared that it had changed, but as the weeks and months have passed they have swung back into knocking City at almost every opportunity.

    Mike Calvin's 'Man City are ill-equipped to cope with title race demands' is quite clearly laced with bias against City as it pretty much opens with this little beauty;

    "What Manchester City need to cope with the unaccustomed demands of a Premier League title race is a copy of a toddler training book, a parents’ bible."

    And why is this, Mike?

    "It would offer an immediate insight into the tiny mind of Mario Balotelli, who has resumed his normal position on the diamond-encrusted naughty step at Manchester City’s training ground in Carrington."

    The "tiny mind of Mario Balotelli" on the "diamond-encrusted naughty step". What is this guy on? The press report some sort of argument in training, show one picture of Mancini talking to Mario like he often does and that is supposed to mean he's in trouble? And I know Mario has done some stupid things but to imply he is actually stupid is a little harsh don't you think?

    Or is Mr Calvin trying to imply something else? Personally, I don't believe that a human being, especially when at the young age of 16, who would willingly spend time in a foreign country with and is driven to help some of the less fortunate inhabitants of this world when they could be doing many more self gratifying things like the vast majority of others of their age, has a tiny mind.

    The language used in describing both player and club here are simple but carefully chosen for sure, designed to invoke certain images of lavish, ostentatious surroundings inhabited by crass, uneducated simpletons, conjuring feelings of injustice and inequality against the club for any neutrals reading.

    His next dig comes as thus;

    "Patrick Vieira may be an exceptional football development executive for Manchester City, whatever that means."

    Would you like a side order of flippancy with that t-bone dismissive, sir? You can almost literally hear him scoff at the position as you read those words. Mike clearly has no understanding of the role that City created specifically for such a highly experienced ex-pro who is admired and looked up to by players both young and old throughout the footballing world.

    The information on what City's Football Development Executive actually does is readily available if you wish to look for it. Mike obviously couldn't be arsed though, which seems to be the case for most journalists. Although you'd expect a little more from someone who has twice been awarded Sports Writer and Sports Reporter of the year. Or is that just me being a little too hopeful about the standards of British journalism? I suspect it is.

    Mr Calvin then turns his attention to Roberto Mancini and how he thinks the pressure is getting to him;

    "Roberto Mancini has already withdrawn from interviews because he does not trust himself to say the right thing."

    Really? He has dodged interviews in the past where he has not been well, but the only recent one is after the Stoke game where by all reports he was incredulous with anger at the ref's allowance to let the Stoke players' rather physical game continue without any real punitive measures.

    And he was right to be angered at such. Although physical contact is part and parcel of the sport, Stoke are well known for being a little overzealous for the most part.

    So Roberto refuses to talk in one post-match interview and that is now apparently him refusing to talk in any other interview for the rest of the season. Sounds to me like someone is talking out of their arse.

    As for not trusting himself to say the right thing, perhaps that was a sign of good judgement of his own character, knowing how wound up he was and likely to openly criticise match officials if he got the opportunity. As my mother told me, and I assume your mother told you, "If you've nothing nice to say, don't say anything at all."

    See Mike, he's just taking the advice of his dear mother.

    The actual message of the 500-or-so word piece is basically that he thinks Mancini will falter in the coming weeks. Which is fair enough, he is entitled to his own opinion about that. But try not to make it sound so bias that it was typed with one hand on the keyboard and the other caressing Fergie's member.


    Twitter: @MikeWalshMCFC or @mcfcDSLeftFoot
    Facebook: David Silva's Left Foot

    ISTO SÓ ACONTECE EM JARDIM DE PIRANHAS.

    ESTUDAR EM VIDA. COMO ESTUDAR SE NEM SE QUER SABEMOS QUANDO AS AULAS IRÃO COMEÇAR?
    QUE GLORIA? COM ESTA EDUCAÇÃO FRAGMENTADA, A ÚNICA GLÓRIA É AGUENTAR TAMANHA FALTA DE RESPEITO COM OS ESTUDANTES E OS PAIS DOS ALUNOS.
    CHEGA DE PALHAÇADA, QUEREM APARECER, PINTEM A CARA E SAIAM DESFILANDO NA AVENIDA.
    ESCOLA MUNICIPAL MON SENHOR WALFREDO GURGEL DE JARDIM DE PIRANHAS, ESTA É A ESCOLA COM MOTIVO DE SOBRA PARA VERGONHA DO NOSSO MUNICÍPIO.

    24 DIAS DESAPARECIDO E ATÉ AGORA NADA FOI FEITO.

    ANIVERSARIANTES DO DIA 29 DE 03 DE 2012

    GILVANETE
    EMISLENE
    JOSÉ DE ZEQUINHA
    GORETE DE BASTINHO CASSIANO
    RITINHA DE RILDO
    VALKÍRIA DE BABÁ
    JOSÉ
    FABINHO
    JUNINHO
    CHICÃO
    MAIANE DE FRANÇA
    FRAÇUAR
    RAQUEL
    RAFAELA
    MARA RÚBIA
    EDINHO DE LENA DE LAURO

    Trabalho de pesquisadores da UFRN é publicado por Museu de Chicago

    Um trabalho sobre Plantas da Caatinga, desenvolvido por pesquisadores da Universidade Federal do Rio Grande do Norte, foi publicado pela revista científica mensal do museu de ciências naturais, The Field Museum of Chicago.
    Trata-se de um Guia de Plantas da Caatinga que tem por objetivo ajudar estudantes de Ciências Biológicas, Engenharia Florestal, Ecologia e áreas afins a obter uma identificação rápida de espécies vegetais por foto e nome científico.

    Publicado em agosto de 2010, o guia foi produzido pelo geógrafo Alan de Araújo Roque, mestre em Desenvolvimento e Meio Ambiente e funcionário do Herbário UFRN, em parceria com seus professores Jomar Jardim e Maria Iracema Bezerra Loiola.

    Depois de submetido à seleção, o guia foi escolhido para publicação na revista científica do museu de Chicago, que divulga mensalmente guias de animais e plantas de todo o mundo. A revista objetiva tornar públicas as pesquisas em ciências naturais e descobertas científicas de âmbito mundial.

    “É muito gratificante ver o resultado de alguns anos de trabalho ser publicado de forma tão bonita e prática, ficando acessível a qualquer pessoa. Além disso, eles divulgam os guias publicados em congressos no mundo todo”, conta Alan Araújo.

    O Guia foi feito com o apoio da Reserva Particular do Patrimônio Natural Stoessel de Britto assim como do Programa de Pesquisa em Biodiversidade (PPBIO) no Semiárido.

    Fonte: UFRN

    Cacau vira 'arma' da agricultura contra desmatamento da Amazônia

    Pará introduz manejo da matéria-prima do chocolate contra desmatamento.
    São Félix do Xingu é segundo maior produtor do fruto no país.

    Da EFE  
    O cacau, original da Amazônia e que prosperou em outras terras brasileiras, foi reintroduzido na região amazônica por agricultores interessados em melhorar sua renda e reflorestar áreas devastadas.
    A planta que dá origem ao fruto, matéria-prima do chocolate, cresce com facilidade na floresta e gera um alto lucro financeiro, motivo pelo qual se transformou em alternativa para os produtores que antes destruíam a Amazônia para aumentar os pastos para a criação de gado.
    "Vimos que a pecuária não era viável porque tínhamos que queimar mais floresta para manter a produção. O cacau nos oferece hoje uma renda maior que o gado", disse Altamiro Pereira Lorenzo, que há dez anos semeou 3 mil plantas de cacau em sua propriedade de 62 hectares no município de São Félix do Xingu, estado do Pará.
    A substituição de gramados por cacau foi rápida em São Félix, que além de ter o maior rebanho bovino do país, com dois milhões de cabeças de gado, é considerado o maior destruidor da Amazônia por ter devastado 10.110 km² de floresta nos últimos dez anos.
    A produção do fruto na cidade passou de 350 toneladas em 2005 para 1.500 toneladas em 2010, segundo dados oficiais. O fato faz do município como o segundo maior produtor do país.
    Fruto de cacau, com os grãos usados para fazer o chocolate em seu interior. (Foto: USDA/Divulgação)Fruto de cacau, com os grãos usados para fazer o chocolate em seu interior. (Foto: USDA/Divulgação)
    No bom caminho
    Outros municípios seguiram o mesmo caminho e o Pará se consolidou como um dos grandes produtores com uma colheita que no ano passado foi de 63.739 toneladas, equivalente a 25,7% do total nacional. Em primeiro lugar se mantém a Bahia, estado do nordeste, com 154.634 toneladas (62,3% da produção nacional).
    Além de ser uma planta nativa, o cacau cresce na sombra, motivo pelo qual os agricultores o semeiam no meio de árvores típicas da Amazônia, como o mogno, o que garante a preservação da floresta.
    "As condições de solo e clima na Amazônia são apropriadas para o cacau. Os estudos indicam que os cultivos mais próximos da linha do Equador produzem o cacau com as características mais apreciadas pela indústria", diz um estudo do Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia (Imazon), uma organização que lidera projetos de desenvolvimento sustentável na região.
    O Imazon iniciou um projeto para certificar a produção sustentável de cacau dos associados da Cooperativa Alternativa dos Pequenos Produtores Rurais e Urbanos de São Félix (Cappru).
    "A Amazônia produz basicamente matérias-primas da floresta. Ter em São Félix uma das mais organizadas cooperativas de produtores de cacau (Cappru) nos levou a pensar um projeto para melhorar a produção e agregar valor", explicou Mireya Sandrini, diretora do Fundo Vale, entidade patrocinada por empresas como a mineradora Vale e que financia o projeto do Imazon.
    Produtividade
    Segundo o presidente da Cappru, Iron Eterno de Faria, a produção da cooperativa passou de 400 a 940 toneladas entre 1997 e 2011, e quase toda esta quantidade é vendida à multinacional Delfi.
    Para a Cappru, a maior vantagem do cacau da Amazônia é seu baixo custo de produção, já que não se gasta nada em adubos nem produtos químicos para atacar pragas como a 'vassoura de bruxa', que dizimou as plantações da Bahia. No entanto, o cacau atrai os macacos, que chegam a comer a metade da produção em alguns locais.
    No início, os produtores espantavam os animais a tiros, mas um agricultor especialista ensinou outra técnica: esfregar algo picante nos frutos ao alcance dos macacos. "Eles nunca mais aparecem", diz Faria.
    Segundo Francisco Fonseca, coordenador de produção sustentável da organização The Nature Conservancy (TNC) na Amazônia, em São Félix podem ser plantados até 50 mil hectares com cacau. "O limite não é a área, mas a quantidade de sementes", diz Fonseca, para explicar que no país só estão disponíveis 1,5 milhão de sementes de qualidade e resistentes a pragas.
    Ele acrescenta que a multinacional Cargill, maior compradora de cacau no Brasil, está interessada em oferecer financiamento e assistência técnica aos agricultores de São Félix em troca que a produção seja vendida exclusivamente a ela.

    ANIVERSARIANTES DO DIA 28 DE 03 DE 2012

    DAMIANA
    NOVINHA DE MANUEL MONTEIRO
    RAQUEL DE SALOMÃO
    BRANQUINHA DE PEDRO DE DINA
    ZUMIRA
    FABIANA GAROFA
    LUCIANO NETO
    DEIVID BECKEN
    JOSA
    SÓSTENES
    ARIANE
    MÁRLISSON
    ROSINEIDE
    ITINHO
    MAILA
    MARLENE DE GILBERTO
    MAURA DE ELIANE
    VERA DE ANTÔNIO DE MAJÓ

    Pesquisa do Inpa usa semente para purificar água de rio da Amazônia

    Uso da moringa evita aplicação de sulfato de alumínio, tóxico para natureza.
    Técnica também elimina bactérias e torna água própria para uso.

    Do Globo Natureza, em São Paulo
     
    Método usa sementes da moringa para tratar a água (Foto: Divulgação / Edilene Sargentini)Método usa sementes da moringa para tratar a água
    (Foto: Divulgação / Edilene Sargentini)
    As águas escuras do Rio Negro, no Amazonas, precisam ser clarificadas e purificadas antes de serem consumidas. Um dos produtos usados neste processo é o sulfato de alumínio, tóxico para a natureza. Para evitar a contaminação e melhorar a saúde de comunidades que dependem da água do rio, o Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa) estudou o uso da semente de uma planta, a moringa, para tornar potável a água do Rio Negro e conseguiu resultados inesperados.
    A moringa é uma planta originária da Índia. Para purificar a água, a semente é extraída e masserada, formando um pó, aplicado no líquido. No Brasil, a planta já é usada para tirar o barro e eliminar bactérias de rios da região Nordeste. Como a quantidade de pó de varia de acordo com as características dos rios e também com o período do ano, “a pesquisa do Inpa foi pioneira”, diz a farmacêutica Edilene Sargentini, que participou dos estudos.
    “A grande diferença do Rio Negro é que a água é colorida devido à presença de substância húmica, decorrente da decomposição de animais e plantas da floresta, transportados para o rio por meio de lixiviação”, explica Edilene.
    Além de conseguir limpar a água e eliminar 99% das bactérias, o estudo do Inpa desenvolveu uma nova metodologia de aplicação da semente de moringa que consegue purificar a água mais rapidamente. Ao aplicar o pó na água, não é preciso esperar cerca de 2 horas, como ocorre em processos já conhecidos. Nos laboratórios do Inpa, a purificação ocorreu em apenas alguns minutos.
    Além disso, com o novo método, os pesquisadores conseguiram deixar a água potável por até três dias – contra um dia com o método convencional. “Após usar o pó da semente de moringa, você tem um tempo para usar a água. Depois disso, ela ‘apodrece’. Descobrimos uma nova metodologia para usar esta semente de modo em que a água não ‘apodrece’ tão rápido”, conta Edilene. Os pesquisadores pretendem patentear a nova metodologia.
    Amostras de água antes e depois da aplicação do pó da semente da moringa (Foto: Divulgação / Edilene Sargentini)Amostras de água do Rio Negro antes e depois da aplicação do pó da semente da moringa (Foto: Divulgação / Edilene Sargentini)
    Sachês
    Agora, a pesquisa está entrando em uma nova fase, fora do Inpa. O objetivo da equipe é desenvolver sachês de moringa, que poderiam ser distribuídos para as comunidades à beira do Rio Negro com um passo a passo do uso. Para Edilene, o sachê facilitaria o uso da moringa, porque já viria com a dose certa. Bastaria colocá-lo na água, sem ser necessário ter a planta no quintal e preparar o pó.
    Mas, antes mesmo da criação dos sachês, os resultados da pesquisa podem ser aplicados através do ensino da preparação do pó e aplicação na água. Uma das metas da equipe de pesquisa é criar uma cartilha que explique os procedimentos.
    Apesar de não ser nativa do Brasil, a moringa se adaptou bem às condições amazônicas, afirma Edilene. “[No Inpa] nós plantamos 90 sementes de moringa e 87 germinaram. Com um ano a planta já está dando fruto. E, se a poda é feita corretamente, a moringa dá semente até três vezes por ano”. Depois, é só preparar o pó. Uma solução simples para melhorar o Rio Negro e a saúde de populações que vivem em torno dele, conclui Edilene.
    Pesquisadora prepara o pó da semente de moringa em laboratório do Inpa. (Foto: Divulgação / Edilene Sargentini)Pesquisadora prepara o pó da semente de moringa em laboratório do Inpa. (Foto: Divulgação / Edilene Sargentini)

    Organização propõe usar crédito de carbono para ajudar produtores

    cação a agricultores e pagamento pela preservação estão em foco.
    Recursos seriam aplicados para tornar produção sustentável.
    Amanda Rossi Do Globo Natureza, em São Paulo
     
     

    O Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia (Ipam), organização que trabalha pelo desenvolvimento sustentável do bioma, lançou nesta quarta-feira (28) análise que aponta uma nova estratégia para manter a floresta em pé e reduzir as mudanças climáticas.
    A proposta do Ipam, citada na revista "Nature" desta semana, quer unir dois mecanismos já existentes e que apresentam dificuldades de emplacar. Um deles é o comércio de crédito de carbono, pelo qual emissores de CO2 pagam para manter a floresta intacta. Para o instituto, a comercialização não tem sido fácil porque faltam produtores interessados em vender os créditos.
    Outro mecanismo é a tentativa de alguns agricultores e pecuaristas de tornar suas propriedades sustentáveis para atender padrões internacionais de qualidade. Estes padrões conferem "selos" de certificação, que podem aumentar o valor do produto. No entanto, diz o Ipam, as recompensas não são compatíveis com os custos necessários para tornar o negócio sustentável.
    "[Compradores internacionais] impõem padrões, mas não dá mecanismo para pagar [os gastos com as mudanças necessárias]. Estamos tentando oferecer um mecanismo para pagar a conta", resume Daniel Nepstad, coordenador de programas internacionais do Ipam.
    Segundo o Ipam, as duas pontas são complementares e devem ser unidas em um consórcio. Ou seja, créditos de carbono devem ser usados para ajudar produtores rurais a tornar suas propriedades sustentáveis, recuperando áreas desmatadas e aumentando a produtividade para produzir mais alimentos sem a necessidade de novas terras e novos desmatamentos.
    "A ideia é viabilizar transição da agricultura predadora para agricultura sustentável. Essa transição não é sempre barata, precisa de dinheiro, investimento, política pública, mas precisa também de demanda", afirma.
    Em junho no Rio de Janeiro, durante a Rio+20, a Conferência do Desenvolvimento Sustentável da ONU, o Ipam pretende apresentar projetos pilotos para a implementação deste consórcio em áreas da Amazônia.
    Mapa do Ipam mostra áreas que poderiam usar o sistema de consórcio entre crédito de carbono e certificação ambiental de propriedades rurais. (Foto: (Foto: Reprodução / Ipam) )Mapa do Ipam mostra áreas que poderiam usar o sistema de consórcio entre crédito de carbono e certificação ambiental de propriedades rurais. (Foto: Reprodução / Ipam)
    Consórcio global
    Segundo o instituto, é possível e necessário viabilizar o consórcio em nível global. Isso seria possível porque os dois lados da moeda têm correspondentes em larga escala.
    Do lado do comércio de carbono, está em gestação a criação de um mecanismo que "compensa" financeiramente as nações que preservam a floresta e contribuem para a redução dos gases causadores do efeito estufa. Chamado de Redd+ (Redução de Emissões por Desmatamento e Degradação), ele foi negociado na Conferência do Clima em Durban, em 2011 -- mas não obteve avanços e por isso deve deve voltar a ser discutido.
    Já do lado das melhorias nas propriedades rurais para obter selos de qualidade, existem mesas de negociação internacionais para criar padrões de sustentabilidade para algumas culturas. Até agora, já foram realizadas três, segundo o Ipam: a Bonsucro, para a cana, a RTRS, para a soja, e a RSPO, para o óleo de palma.
    "Estamos tentando construir ponte entre dois processos paralelos, que buscam várias coisas em comum, mas que até agora não foram costurados. Eles andam no mesmo rumo, mas paralelamente. Um são as mesas redondas das commodities e outro é o Redd", resume Nepstad.
    Para mostrar como o consórcio poderia ser aplicado globalmente, o Ipam mapeou países que já têm as duas iniciativas: projetos de Redd a nível local e aplicação de padrões exigidos nas mesas redondas das commodities. Entre as nações encontradas estão o Brasil, México e Indonésia.
    Críticas
    O representante do Ipam admite que a proposta pode ser vista como uma vantagem para compradores internacionais que querem comprar produtos mais sustentáveis sem pagar pelo seu custo.
    Por outro lado, pode ser acusada de favorecer setores do agronegócio, que vão obter recursos de créditos de carbono para realizar algo que é uma obrigação legal: a preservação da floresta.
    "Estamos em uma bifurcação super importante. A agricultura brasileira pode se sentir impune, por exemplo, se ganhar a votação do código florestal. Ou ela pode escolher um segundo caminho, imbutindo um compromisso sócio ambiental. Assim, o Brasil garantiria liderança não só na agricultura, mas também nas questões ambientais. Nós esperamos contribuir para a segunda opção", conclui Nepstad

    First lecture - ever

    This month marked another milestone in my PhD learning process - I had my first ever lecture. Of course I was scared, of course I was nervous, but I do think it was a very valuable experience.

    Here's what I learned:

    1. Preparing takes a lot of time

    I measured roughly 30 hours of preparation for the 2 hour lecture (altough that's still better than the old adage that an minute of public speaking requires an hour of preparation). Most of this time was spent at home, during evenings and weekends - when I am typically slower because I am already tired or because I am trying to get some loads of laundry done at the same time.

    However, I started it off all wrong (I think). I spent too much time with the material itself. In fact, I fully studied the entire chapter on the topic from the previous course, and then I fully studied the entire chapter that I was going to lecture. I could as well have done just the chapter I needed to lecture - because that is what I actually needed.

    2. Cooking up an example is really hard

    Coming up with an example was a massive time-drain. I kept trying out different things, from different course books that I own, without really finding a good example. I ended up pulling out an old homework of mine, and manipulating that example until it finally "worked". And still I felt there is room for improvement in there.

    3. How to actually do it

    Another massive time-drain in my preparation was the question "how am I going to do this?". I googled around a bit about lecturing, and I frowned and scratched my hair a few times - with very little result. I ended up with a hybrid solution of making slides and using notes for writing on the blackboard. I did enjoy not having to draw all the sketches on the blackboard, but just being able to project them, but I think I could explain the material better if I'd take the time to sketch and explain what I am sketching - instead of just projecting it and assuming the students will catch the thought.

    4. Timing the lecture itself

    That was the hardest part: I went too fast in the beginning and I needed more time for the example than I originally thought. Lesson for next time: bring less material but take more time to explain all of it.

    5. The aftermath

    I'm amazed to see how much I've learned from it (it sounds cheesy, but it's true). For another course which  I TA, I notice that I am much faster at helping the students because I now have the material going through all my veins. Studying and understanding the material is one thing, lecturing it gives you a whole new perspective and level of understanding of the material.

    SBOY #7 - Pages




    A setup for half-scale slab shear experiments

    Last week, I describe the general ideas behind testing a slab with just one steel plate while in reality cars and trucks in many different varieties are loading the structure. I'll now be going into detail on a few particularities in the setup. As with most of my blog posts, I *try* to write it in such a way that anyone even slightly interested in my work could follow. If you're a structural engineer/researcher and you want a solid background on my experiments, you can check out my research page or get in touch with me - I'd love to share and exchange ideas (one of my reasons for blogging, that is).

    In this post, I'll write about the test setup which we used in our first series of experiments. 30 specimens were tested in this setup, and in total almost 130 experiments were done in this setup. Here's how it looks like:




    Now there are a few things that I would like to point out in here:

    1. The specimen

    The concrete slab we test is half-scale of a sold slab bridge. That means that we are looking at a span length of 3,6m and a depth of 30cm. If you'd like to read up on how we make these specimens, here's a picture-heavy post about the slabs.

    2. The frame

    It's steel - we need a whole steel frame around the load to actually apply the load that can destroy the concrete.

    3. The load itself

    We increase the load level by using a hydraulic jack, connected to the steel plates which are used to model the tire contact area. Here's how it looks like from close by:

    Some researchers have studied the differences between steel plat and rubber pouches filled with water (more like a real tire), to study the difference in an experimental setup. We've opted for the standard solution of steel plates - it gives results at the safe side.

    4. The support

    Since a concrete slab is not perfectly straight, we need an interface, a buffer layer to smooth it all out. We've used a layer of felt and a layer of plywood:
    However, for our colleagues who are using complex computer models (non-linear finite element calculations) to simulate the behavior of the slab during the tests, our choice for felt seems to be quite an obstacle. By now, we've been testing and squeezing the felt in many different ways, but it turns out to be a difficult material to model.

    5. The "continuous" support

    A real bridge has more than two supports, and that means that the intermediate supports will have a moment at the location of the support. We've used prestressing bars, tied to the strong floor of the laboratory to hold back the rotation of the slab over the support - and thus creating a moment there were we need it. In the picture below, there are the ends of the 3 bars, all with a load cell to measure the force in the bar, and the red box beam which distributes the load over the width of the specimen. Also, note that underneath the concrete specimen, you can see that the prestressing bars keep going down - in fact, they go down through the strong floor all the way to the basement. 
     


    6. The measurements

    Look at the smaller black lines you see over the concrete slab, parallel to the support and over the span length. Those are parts of the measurement frame: we use lasers to measure the displacements at several positions, to know how the slab reacts to the load. To hold the lasers into their fixed position, they are mounted on these smaller steel frames.

    That basically sums up the most important elements of my first test setup. For our second series of tests, we had to make a few changes, but I'll get back to that in another post.



    Show Jumping Videos from Southern Pines





    Southern Pines Photos from Hoof Pix Sport Horse Photography, LLC.




    Thanks to Pamela Eckelbarger for sharing these photos from Southern Pines Horse Trials II. All photos ©Hoof Pix® Sport Horse Photography, LLC and are for use only on this blog posting.

    PRF resgata duas preguiças em trecho paraibano da BR-230

    Animais podem ser atropelados na rodovia ou causar acidentes, diz PRF.
    Resgate foi feito nos km 21 e 31 da BR-230 na Paraíba.

    Do G1 PB
     
     
    A Polícia Rodoviária Federal (PRF) fez o resgate de dois bichos preguiças que estavam às margens dos km 21 e 31 da BR-230 nesta terça-feira (27). Segundo informações da inspetora Keilla Melo, os animais corriam o risco de serem atropelados e até provocar acidentes graves. Os animais foram encaminhados à Polícia Florestal (Foto: Divulgação/PRF-PB)A Polícia Rodoviária Federal (PRF) fez o resgate de dois bichos-preguiça que estavam às margens dos km 21 e 31 da BR-230 nesta terça-feira (27). Segundo informações da inspetora Keilla Melo, os animais corriam o risco de serem atropelados e até provocar acidentes graves. Os animais foram encaminhados à Polícia Florestal (Foto: Divulgação/PRF-PB)
       A Polícia Rodoviária Federal orienta aos motoristas que visualizarem animais dessa espécie soltos e em locais perigosos que não tentem retirá-los, pois apesar da aparência dócil, as garras podem causar lesões. A forma mais segura de auxiliar as preguiças nesses casos é ligando para a PRF através do 191 ou para a Polícia Florestal (Foto: Divulgação/PRF-PB) A Polícia Rodoviária Federal orienta aos motoristas que visualizarem animais dessa espécie soltos e em locais perigosos que não tentem retirá-los, pois apesar da aparência dócil, as garras podem causar lesões. A forma mais segura de auxiliar as preguiças nesses casos é ligando para a PRF através do 191 ou para a Polícia Florestal (Foto: Divulgação/PRF-PB)

    The Ultimate PDA

    Dearest boys and girls,
    I need your help.


    2012 Southern Pines Horse Trials II

    Southern Pines was a fantastic event for the upper-level horses. The cross-country definitely tested some of my greener horses and the old faithfuls managed to dance around it unscathed. Unfortunately Crackerjack and Cold Harbor, who both moved up a level recently, misread the water jump; this was no fault of their own but a sign of their greenness at this particular level.

    I chose to run Neville, Remi and Ying Yang Yo in the intermediate horse trials to give them a nice easy taste of eventing before I start running them at the Fork. Anne Hennessey’s New Cadet is improving with every start, having begun his intermediate career a couple of events ago. He’s already feeling like a seasoned campaigner. The Flying Frenchman, Otis Barbotiere showed signs of brilliance as well with a good, positive run in the advanced horse trials.

    Southern Pines Live Scores

    As much as we love Aiken it was wonderful to get back to the farm in Pennsylvania and be reunited with my two show cats, pictured above. They were both thrilled to see me walk through the door at midnight on Sunday.

    Work back here is underway with all the young horses looking good and aiming for Plantation in a couple of weeks. The advanced horses will all aim for The Fork at the beginning of April. Looking forward, Ying Yang Yo, Remington XXV and Otis Barbotiere will be going to Rolex, with Neville Bardos, Cold Harbor, Merging and Crackerjack aiming for Jersey Fresh.

    -Boyd

    More photos coming soon - meanwhile check out the videos below




    Greenpeace lança no AM campanha pela lei do Desmatamento Zero

    ONG coletará 1,4 milhão de assinaturas para pedir legislação ao Congresso.
    Evento contou com participação do diretor mundial da ONG, Kumi Naidoo.

    Marina Souza Do G1 AM
     
     

    O Greenpeace lançou na manhã desta quinta-feira (22), em Manaus (AM), uma campanha para que o governo crie uma lei  com a proposta de zerar a taxa de desmatamento no Brasil.
    O evento aconteceu a bordo do navio Rainbow Warrior (Guerreiro do arco-íris, na tradução do inglês), que está atracado no Porto de Manaus, e contou com a presença do diretor-executivo mundial da organização ambiental, Kumi Naidoo.

    De acordo com o Greenpeace, o objetivo é coletar assinaturas para levar ao Congresso Nacional a proposta de criação da lei, por meio da iniciativa popular, que reduza do desflorestamento no país, principalmente na Amazônia.
    Segundo a ONG, que se juntou a outras instituições ambientais e sociais, ao menos 1,4 milhão de assinaturas serão coletadas pelo país e haverá a veiculação de vídeos sobre o tema estrelados por atores como Marcos Palmeira e Camila Pitanga.
    O lançamento da campanha nacional em Manaus coincide com o início do Fórum Mundial de Sustentabilidade, que segue até o próximo sábado. "As razões para lançarmos a campanha em Manaus foram muitas: a cidade está no coração da Amazônia [...] e estaremos aqui até termos certeza de que a Amazônia está definitivamente protegida para o bem de todas as gerações", disse.
    Ele comentou que a presença de líderes empresariais durante o encontro é importante para que a mensagem de combate ao desmatamento seja melhor propagada. "A mensagem que eu levaria para eles é que o Brasil quer um futuro sem destruição das florestas e essa realidade começa com a lei do Desmatamento Zero".
    Kumi Naidoo durante lançamento da campanha (Foto: Marcos Dantas/G1)Kumi Naidoo (com o microfone) durante lançamento da campanha do Greenpeace em Manaus (AM) (Foto: Marcos Dantas/G1)
    Economia verde e Código Florestal
    Em entrevista ao G1, Kumi Naidoo afirmou que o país não precisa desmatar as florestas para se desenvolver. "O Brasil é hoje a sexta maior economia do mundo. Ele se tornou a sexta maior economia vendo uma queda no desflorestamento. Isto é uma prova de que não é preciso destruir florestas para continuar sendo forte no cenário internacional. No entanto, este país ainda é o segundo maior desmatador, depois da Indonésia".

    Sobre o Código Florestal brasileiro, Naidoo ressaltou que as mudanças feitas são ultrapassadas. "As mudanças são todas sobre o passado: esquecer os crimes ambientais do passado e abertura de novas áreas de desflorestamento. É muito errado. A lei do Desmatamento Zero é uma iniciativa de pessoas juntas, relacionada ao futuro. A mensagem é clara: precisamos de leis para proteger a floresta e as gerações futuras", destacou.

    Na cerimônia, a vice-coordenadora da Coordenação das Organizações Indígenas da Amazônia Brasileira (Coiab), Sônia Guajajara, ressaltou que o Brasil vive um momento de retrocesso.
    "Ontem foi aprovada a PEC 215/00, que trata da demarcação de terras indígenas, na Comissão de Constituição e Justiça, na Câmara dos Deputados. Índio sem terra não é nada, ele não existe. Queremos território, queremos biodiversidade. Esta aprovação representa somente os interesses de uma classe econômica que só pensa no capitalismo. Não podemos permitir isto", afirmou.

    De acordo com o procurador-geral da República no Pará, Felício Pontes Júnior, a lei de iniciativa popular é importante por medir o que a sociedade brasileira espera para o futuro do país.
    "Nós, brasileiros, conseguimos desmatar cerca de 20% da Amazônia nos últimos anos. O Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) da Amazônia é menor que a media nacional e é, por si só, uma vergonha. Vivemos em um modelo de desenvolvimento predatório. Este é um grande teste de maturidade do povo brasileiro", disse.

    Área com duas mil gravuras rupestres é alagada na Amazônia

    Desenhos foram achados durante construção de hidrelétrica em Rondônia.
    Eles já ficavam encobertos pelas águas durante parte do ano.

    Amanda Rossi Do Globo Natureza, em São Paulo
     
    Há milhares de anos, povos amazônicos criaram um enorme complexo de gravuras rupestres nos arredores do Rio Madeira, na área onde hoje está localizada a capital de Rondônia, Porto Velho. Ao longo de 200 metros, eles esculpiram em blocos de rochas pelo menos duas mil gravuras geométricas e desenhos que lembram animais, como gato, macaco e lagarto.
    As gravuras, que podem ter até 8 mil anos, segundo arqueólogos que trabalharam na área, foram encontradas durante pesquisas que antecederam a construção da usina hidrelétrica Santo Antônio. Os pesquisadores esperaram o período de seca para catalogar os desenhos, já que a área ficava submersa durante as cheias do Rio Madeira. Em janeiro deste ano, a área foi alagada permanentemente para dar origem ao reservatório da usina.
    O Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) acompanhou as obras e afirma que não existem irregularidades. “A existência de sítios arqueológicos não inviabiliza a implementação do investimento. Pode inviabilizar, se o sítio for considerado de grande relevância científica, dependendo da força política do Iphan e do apoio de comunidades”, afirma Rogério Dias, coordenador de pesquisa e licenciamento arqueológico do Iphan.
    Pedral com figura geométrica em alto relevo, uma das duas mil gravuras encontradas na área do Rio Madeira alagada para construção de reservatório de usina hidrelétrica (Foto: Divulgação / Santo Antônio Energia)Pedral com figura geométrica em alto relevo, uma das duas mil gravuras encontradas na área do Rio Madeira alagada para construção de reservatório de usina hidrelétrica (Foto: Divulgação / Santo Antônio Energia)
    Impacto
    De acordo com a Sciencia Consultoria Científica, contratada pela Santo Antônio Energia, concessionária responsável pela construção e operação da usina Santo Antônio para realizar pesquisas arqueológicas na área, não existe um estudo do impacto do alagamento permanente na preservação das gravuras.
    “Não há um estudo do impacto nas gravuras quando ficam na água por um bom tempo. Nós não sabemos qual será o impacto. Pode ser que elas ainda estejam lá”, afirmou Renato Kipnis, diretor da Sciencia.
    Segundo o Iphan, os blocos de rocha com as gravuras rupestres “não sofreriam processo de destruição, ficariam embaixo de água, preservados como estavam”. “Vamos supor que se resolva esvaziar o lago. As gravuras vão continuar lá embaixo. Também é possível fazer pesquisa subaquática”, afirma Rogério Dias, do Iphan.
    "É melhor deixar isso lá que retirá-los. O processo de retirada de lá é muito complicado e às vezes há risco de rachar o bloco, quebrar. É melhor que fique lá. Mas [antes do alagamento] fica registrada a existência [das gravuras]", explica Dias.
    Características
    Ainda não existe uma cronologia exata das gravuras, mas sabe-se que alguns sítios arqueológicos na área têm cerca de 8 mil anos de ocupação, segundo Kipnis. “A ocupação da área do rio madeira começou por volta de 8 mil anos atrás. Por isso, a área pode ter entre 8 mil anos”, diz.
    Para tentar descobrir a idade das gravuras esculpidas, os arqueólogos vão compará-las com cerâmicas pintadas encontradas em outros sítios arqueológicos da região, explica Kipnis. De acordo com a semelhança dos desenhos , será possível estimar a idade. “Como conseguimos datar a cerâmica, talvez por associação possamos ter uma ideia da cronologia dessas gravuras”, diz.
    Para esculpir as gravuras nas rochas, os povos amazônicos que viveram na região utilizavam uma técnica chamada “picotamento”, explica a Sciencia. Eles batiam na rocha com alguma pedra ou outro artefato rígido até produzir a forma desejada em baixo relevo. Segundo Kipnis, provavelmente não era usada tinta nas gravuras.
    Decalque em tecido de um dos painéis do sítio arqueológico (Foto: Divulgação / Santo Antônio Energia)Equipe de arqueologia faz registro em tecido de um dos painéis de sítio arqueológico do Rio Madeira (Foto: Divulgação / Santo Antônio Energia)
    Registro em 3D“A área era pouco conhecida do ponto de vista da arqueologia. O projeto Santo Antônio possibilitou um trabalho sistemático de [estudo de] coleções arqueológicas”, defende Kipnis.
    Depois do achado das gravuras, foi iniciado um trabalho sistemático de catalogação das imagens com uso de alta tecnologia, que incluiu um registro digital para reconstituição em modelos 3D. Um dos equipamentos empregados emitia 900 mil feixes de laser por segundo, em 360°, com precisão de 2 milímetros, de acordo com a Santo Antônio Energia. Assim, será possível reconstitui os desenhos em alto relevo.
    Também foram feitos registros em 3D da topografia da área e dos pedrais onde estão localizados as gravuras, que são importantes para compreender a espacialidade das gravuras. O objetivo do registro em 3D é criar uma plataforma voltada para comunidade científica onde será possível visualizar a área, agora alagada, e dar zoom para visualizar as gravuras.
    “O nível de detalhe é tão grande que será possível reconstituir os pedrais com gravuras”, afirma Kipnis. Além da Scientia, participou da catalogação em 3D a empresa portuguesa Dryas Arqueologia. O trabalho se concentrou em cinco áreas com extensos pedrais, chamadas Ilha Dionísio, Ilha do Japó, CPRM 2, Ilha das Cobras e Teotônio.
    “Fizemos um registro que nunca foi feito no Brasil. A contrapartida [da construção da hidrelétrica] é a concentração de recursos para fazer a pesquisa, de alta qualidade”, defende Kipnis. Os gastos da Santo Antônio Energia com estudos arqueológicos na área foram de R$ 12 milhões.
    Decalque em tecido de um dos painéis do sítio arqueológico (Foto: Divulgação / Santo Antônio Energia)Decalque em tecido de um dos painéis do sítio arqueológico (Foto: Divulgação / Santo Antônio Energia

    ANIVERSARIANTES DO DIA 27 DE 03 DE 2012

    REJANE DE N^WEGO DE CORNÉLIO
    VALDIRA DE BODE
    DONA AMBROSINA
    BAÍCA ( CAMPO DA PAZ )
    BEL
    IZAIAS NOGUEIRA
    CIELE
    DR. GABRIEL
    MARIA CECÍLIA
    GILBERTO VIEIRA
    LUIZ NOGUEIRA

    Coração de chimpanzé é examinado por veterinários em zoo da Inglaterra

    assom foi realizado por cardiologista e veterinários em Liverpool.
    Exame é parte de pesquisa que verifica condições do coração de primatas.
    Do Globo Natureza, em São Paulo
     
     
    Uma equipe de veterinaries realizou nesta segunda-feira (26) exame de ultrassom cardiológico no chimpanzé Dylan, que vive no Chester Zoo, em Liverpool, na Inglaterra. Os testes fazem parte de um programa internacional que verifica as condições do coração de grandes macacos. (Foto: Phil Noble/Reuters)Uma equipe de veterinários realizou nesta segunda-feira (26) exame de ultrassom cardiológico no chimpanzé Dylan, que vive no Chester Zoo, em Liverpool, na Inglaterra. Os testes fazem parte de um programa internacional que verifica as condições do coração de grandes macacos. (Foto: Phil Noble/Reuters)
    O exame foi realizado por especialistas da Universidade Metropolitana de Cardiff, no Reino Unido. (Foto: Phil Noble/Reuters)O exame foi realizado por especialistas em cardiologia da Universidade Metropolitana de Cardiff, no Reino Unido. (Foto: Phil Noble/Reuters)
    Detalhe da mão do chimpanzé Dylan com um monitor cardíaco durante o procedimento médico. (Foto: Phil Noble/Reuters)Detalhe da mão do

    ANIVERSARTIANTES DO DIA 26 DE03 DE 2012

    RONDINELE DE ZEZINHO DE TRAJANO
    NEIDINHA DE GILVANETE
    EDUARDO DE ERON
    ROSICLEIDE DE EDMUNDO
    EMILY DE EDILENE
    RITA DE BILINHO
    LIVANIR DE DENCIAL
    ZÉ DE CATONHÉ
    RANIERE CANTOR

    RAB Boreas Pull-on Review

    RAB advertise the Boreas pull-on as a lighteight top which offers protection from the sun with some wind resistance. The Backpacker magazine awarded it their Editor's choice for a pull-on softshell. Being lightweight and offering what seems like a good design for warmer weather I had to give it a try.





    Last Summer I decided to get myself a Boreas to use through the warmer weather when high up. Due to medical reasons I have to keep the sun off my right arm at all times when damage from burning is possible. So the Boreas seemed like a good choice for a lightweight softshell.

    First Impressions

    The top is very light and very thin. I had reservations about it's use for backpacking as the material is very soft. The stretch in the material is very slight but overall potentially sufficient. The feel of the material is actually really nice, a sort of silky linen feel.

    The Fit

    The fit of the Boreas is very relaxed. On myself it has room where it is needed. I'm not a skinny guy, so was pleased with the fit. The hem just reaches down to the upper part of my thighs. The arms are of sufficient length that they don't pull up when reaching out and in fact could possibly have benefited from thumb loops. The great part for me is the hood. Unzipped it sits nicely on the head without coming down around my eyes. When zipped up the hood does fall close to my eyes, there are no means to adjust the hood, but a small tug at the back of the hood pulls it away from my face. The stretch in the material then holds the hood in place on my head and allows me to turn my head from side to side. There are no means to cinch the hem or the sleeves, but given the warmer weather use of the top I cannot see this as a problem.

    Details

    The main zip is quite deep, around half way down the garment allowing for some significant venting. The action of the zip is smooth and solid. The single Napolean chest pocket is just about large enough to take a hand, so the majority of mobile phones and similar sized items will fit in here. Again, the zip on the pocket is smooth and feels solid.



    RAB Boreas zip detail.

    In Use

    The Boreas top's lightweight feel and good breathibility make it ideal for warmer weather. It doesn't get too clamy and dries very quickly. I have found at higher altitudes in the UK the Boreas and a baselayer are enough to stay at a good temperature and stay dry. I have noticed a little wear on the shoulders where my ruckasack straps go, but this is extremely slight, just noticeable. But I've owned the top for around 10 months and it has had quite a bit of use. There are also some wear marks at the front of the top near the hem, just where my rucksacks waistbelt buckle sits. But again, this is very slight and nothing to prevent the top from being used for some years to come.


    Boreas hem with slight material damage.

    Conclusion

    Would I recommend the Boreas.........yes. But I would be careful with very heavy rucksack loads. It does offer good value for money in my opinion meaning a good buy. I shopped around and picked mine up for a price below the RRP. So. if your after a lightweight top to keep a bit of wind out and protect you in the sun this has got to be a serious consideration.