PARABÉNS PARA O MEU GRANDE AMIGO E COMPANHEIRO DE RÁDIO ALEX MAIA.


Marajó tem praias de água doce com jeito de mar

Maior ilha fluvial do mundo oferece opções de turismo ecológico no Pará.
Belezas naturais estão presentes em toda a extensão do arquipélago.

Evandro Santos Do G1 PA

O arquipélago do Marajó é um território gigante cercado de belezas naturais e habitado por um povo acolhedor. Considerada a maior ilha fluvial do mundo, a região fica no extremo norte do Pará, banhada pela foz do rio Amazonas e pelo oceano Atlântico. São 50 mil km2 de extensão, bem maior que muitos países da Europa, o equivalente aos estados de Alagoas e Sergipe.
Trilhas ecológicas por furos e igarapés na Ilha do Marajó (Foto: Cláudio Santos /Agência Pará)Trilhas ecológicas por furos e igarapés na Ilha do Marajó (Foto: Cláudio Santos /Agência Pará)
Soure e Salvaterra são as cidades mais procuradas pelos turistas. No passado, um povoado indígena existia na região, que hoje abrange os dois municípios. Separados pelo rio Paracauari, as duas “pérolas do Marajó” preservam belezas exuberantes, com praias, campos, trilhas ecológicas no meio da mata e animais encantadores.
gráfico para matéria (Foto: Nathiel Moraes/G1)
O principal ponto de partida para chegar aos dois destinos é o porto de Belém. Pelo distrito de Icoaraci, a 20 km da capital, o visitante pode levar até o carro no ferryboat, que transporta passageiros à região. São três horas de viagem até o porto de Camará, em Salvaterra. O clima quente e úmido, com temperaturas que variam entre 23 e 33 graus, sugere aos visitantes roupas leves e bastante hidratação.
Ruínas
Sinais da presença dos colonizadores portugueses no Marajó são encontrados na vila de Joanes, a 17 km de Salvaterra, onde estão as ruínas de uma igreja construída pelos jesuítas, no século 17. É no vilarejo que também fica a Praia Grande, com características primitivas e poucos frequentadores. A tranquilidade é um convite ao sossego no lugar, onde funcionam hospedarias modestas e rústicas.
A paisagem natural de Joanes agrada pessoas que buscam no Marajó um momento para relaxar e fugir da agitação urbana. Sempre que pode, o administrador e consultor de projetos Hermínio Feio visita a região. “As belezas naturais daqui não ficam atrás de nenhuma outra no país”, afirma ele. Alguns dos mais de 20 hotéis e pousadas existentes nos municípios de Salvaterra e Soure oferecem passeios ecológicos que completam o lazer dos turistas.
A prefeitura mantém uma reserva ecológica no município e uma unidade de conservação para proteger os recursos naturais e desenvolver o ecoturismo. A produção de abacaxi é uma das atividades econômicas mais ativas na cidade. A qualidade do fruto, dizem, é um dos melhores do país por sua doçura. Muitos produtores levam abacaxi para ser vendido em Belém.
Soure
Depois de desembarcar no porto de Camará, o visitante pega a estrada que leva à sede o município de Salvaterra. De lá, uma embarcação atravessa o rio Paracauari e, em 15 minutos, chega a Soure, vaidosamente apelidada de “Capital do Marajó”. O turista não deve estranhar se for recepcionado por um grupo de dançarinos de carimbó, dança típica da região, nem se cruzar pela rua com um búfalo.
Alguns guias brincam ao dizer que para cada habitante da ilha há um búfalo. Eles ficam concentrados nas fazendas que viraram pontos turísticos na região. As propriedades sempre oferecem passeios com os animais. Ir ao Marajó e não fotografar montando em cima de um búfalo é como ir ao Rio de Janeiro e não ir ao Corcovado.
A técnica em radiologia Aparecida Freitas morou 21 anos em Soure e se acostumou a ver búfalos na cidade. Afinal, eles são usados para o transporte de carga e na própria segurança da população. Adivinha com quem é feito o policiamento montado no município? Com os búfalos. “Gosto dessa cultura e da diversidade que existe aqui”, diz a jovem. Segundo informações da prefeitura local, o Marajó inteiro tem o maior rebanho do animal do Brasil, com cerca de 700 mil cabeças, correspondendo a três vezes a população dos 16 municípios do arquipélago.
Nativos do Marajó usam os búfalos para atividades cotidianas (Foto: Fernando Araújo/O Liberal)Nativos do Marajó usam os búfalos para atividades cotidianas (Foto: Fernando Araújo/O Liberal)
Pelo menos quatro raças, identificadas pelo chifre, habitam a região: carabau, chifre para o lado com extremidade para cima; mediterrâneo, chifre para cima; jafarabade, chifre enrolado e para baixo (em extinção); e o murra, com o chifre todo enrolado para cima. “Nos meses de verão, quando o calor é bastante intenso, dificilmente se verá búfalos fora d´água ao meio dia”, divulgou a prefeitura.

Animais resgatados são devolvidos à natureza pela Polícia Ambiental de RO

Os bichos doentes e vítimas de maus tratos recebem cuidados veterinários.
Apreensões são feitas por patrulhas urbanas e rurais.

Larissa Matarésio Do G1 RO

Filhote de paca no Centro de Recuperação de Animais Silvestres (CRAS). (Foto: Larissa Matarésio/G1)Filhote de paca no Centro de Recuperação de Animais
Silvestres (CRAS). (Foto: Larissa Matarésio/G1)
A sede da Polícia Ambiental (PA) de Rondônia, em Candeias do Jamari, a 20 quilômetros de Porto Velho, recolhe animais silvestres mantidos em cativeiro ou vítimas de maus tratos para tratamento e avaliação para uma possível reintrodução na natureza. Entre o período de 2010 a 2011, 92 espécies diferentes de animais passaram pelo Centro de Recuperação de Animais Silvestres (CRAS).
Segundo o CRAS, existem três maneiras principais para os animais chegarem até a unidade de recuperação. O mais comum é o acionamento do batalhão para ir até residências buscar animais silvestres que invadiram o local. A segunda maneira é a entrega voluntária, seja por pessoas que encontram os animais em casa e levam até o centro ou por pessoas que criam e por algum motivo não querem mais.
O terceiro modo, e mais grave, é a apreensão feita pelo patrulhamento urbano e rural realizado pela PA. “Quando a entrega do animal é voluntária, não tomamos nenhuma medida judicial. Mas quando ela é realizada pela apreensão, o caso é mais grave”, conta o coronel Ronaldo Araújo, que comando o CRAS. Ele explica que é aberto um processo criminal e a penalidade é de seis meses a um ano.
Entre os anos de 2010 e 2011, o CRAS registrou a entrada de 536 animais de 92 espécies diferentes. Dos 536 animais, 286 foram reintroduzidos na natureza, 116 morreram por diversos motivos, como traumas, maus tratos e doenças, e 40 animais tiveram outros destinos, como zoológicos e parques de preservação ecológica. “Quando o animal não pode voltar para a natureza, entramos em contato com o Instituto Brasileiro de Meio Ambiente (Ibama) e eles nos ajudam a encontram um lugar adequado para esses animais”, diz Ronaldo.
Em um primeiro momento, quando os animais chegam ao CRAS, eles passam por uma avaliação veterinária, são medicados e tratados. Depois de recuperados, passam por uma nova avaliação, agora aos cuidados de um biólogo que vai dizer que está apto ou não para ser reintroduzido na natureza.
Ave deficiente recolhida pelo CRAS (Foto: Larissa Matarésio/G1)Ave deficiente recolhida pelo CRAS
(Foto: Larissa Matarésio/G1)
O principal animal recolhido pela Polícia Ambiental são os pássaros, como papagaios, araras, curiós. Depois são os mamíferos, como tamanduás, bicho-preguiça, quati, pacas; e as cobras, principalmente jiboia e sucuri que entram nas residências em busca de comida e esconderijo. “As cobras se escondem em entulhos e lixos acumulados nas casas, por isso, é preciso tomar cuidado”, recomenda o coronel.
O tempo de recuperação desses animais é de em média 20 a 30 dias, mas depende muito das condições em que chegam os animais. Os casos mais graves, segundo o coronel, são das aves. “Elas são muito frágeis e geralmente chegam com as asas quebradas, o que dificulta muito o tratamento”, ressalta.
Coronel Ronaldo faz a soltura de um jacaré tinga (Foto: Polícia Ambiental/Divulgação)Coronel Ronaldo faz a soltura de um jacaré tinga (Foto: Polícia Ambiental/Divulgação)

Pesquisadores descobrem primeira caverna vulcânica do país no Paraná

Descoberta geológica fica em Palmital, no centro oeste do estado.
Formação semelhante existe apenas no Hawai, segundo especialistas.

Bibiana Dionísio Do G1 PR

Uma equipe formada por geógrafos, geólogos e vulcanólogos da Universidade Estadual do Oeste do Paraná (Unioeste) e da Universidade de São Paulo (USP) descobriu, em Palmital, a 397 quilômetros de Curitiba, a primeira caverna de origem vulcânica do país. "É uma cavidade diferenciada. A gente conhece caverna de calcário, de arenito, mas as cavernas em basalto só quem foi para o exterior para conhecer isso", explicou a professora do Departamento de Geografia da Unioeste Gisele Petrobelli. Segundo ela, assim como a cavidade encontrada em Palmital, existe apenas no Hawai. "É uma riqueza muito grande no Brasil", avaliou a professora.
A primeira caverna de origem vulcânica do país é chamada de Casa da Pedra (Foto: Miguel Burei/ Arquivo pessoal)A primeira caverna de origem vulcânica do país é chamada de Casa da Pedra (Foto: Miguel Burei/ Arquivo pessoal)
Cavernas ficam em uma propriedade privada  (Foto: Miguel Burei/ Arquivo pessoal)Cavernas ficam em uma propriedade privada (Foto: Miguel Burei/ Arquivo pessoal)
A geógrafa explicou que com esta identificação entende-se de outra maneira o processo geológico do Terceiro Planalto do Paraná. Até então, segundo a professora, pesquisadores acreditavam que na região não houve uma atividade vulcânica mais característica e que agora isso deve ser repensado. "Não se sabe de onde veio a lava, só o caminho que percorreu", acrescentou. Este caminho deu origem ao duto que está bem preservado e que isso é essencial. O local ficou conhecido como Casa da Pedra e está dentro de uma fazenda particular na comunidade de Catuana.
O Secretário de Meio Ambiente e Turismo de Palmital, Miguel Burei, é sobrinho do dono da fazenda. Ele contou que a área, que tem aproximadamente 300 hectares, era utilizada para o plantio de milho e que agora foi transformada em pasto para criação de gado. “Meu primo criava cabrito lá”, lembrou Burei.
Existe a possibilidade de as ossadas encontradas nas cavernas serem pré-históricas  (Foto: Miguel Burei/ Arquivo pessoal)Existe a possibilidade de as ossadas encontradas
nas cavernas serem pré-históricas
(Foto: Miguel Burei/ Arquivo pessoal)
Após a descoberta científica, o proprietário decidiu doar 1% da terra para pesquisa científica e o local foi isolado. Isso porque foram encontradas ossadas que podem ser de animais pré-históricos. Segundo a professora da Unicentro, a duto principal possui 37 metros de extensão.

“A gente foi até onde dava para respirar. Eles [os pesquisadores] pediram para ninguém entrar porque pode impactar no material existente. Eles isolaram para não interferir na pesquisa”, contou o secretário.
A intenção é transformar o local em uma unidade de preservação ou em um parque para que sejam desenvolvidos projetos turísticos. A gestão deve ser atribuída a uma Organização não Governamental (ONG), especializada em Meio Ambiente, para que as visitas sejam controladas e qualquer futura ação não degrade o espaço. Os primeiros passos para que a proposta saia do papel já foram dados.
A segunda caverna descoberta chama-se Peráu Branco e fica na comunidade da Prata (Foto: Miguel Burei/ Arquivo pessoal)A segunda caverna descoberta chama-se Peráu
Branco e fica na comunidade da Prata
(Foto: Miguel Burei/ Arquivo pessoal)
Na quarta-feira (27), houve uma reunião com representantes do Instituto Ambiental do Paraná (IAP) para se discutir a proposta. O secretário municipal está otimista, principalmente após algumas empresas da iniciativa privada demonstrarem interesse no desenvolvimento de ações sustentáveis no local.

Além da Casa da Pedra, existe outra caverna na fazenda que também é de origem vulcânica. Enquanto na primeira há um duto, na segunda existem quatro. Na verdade se trata de um sistema de tubos de lava, chamado de Peraú Branco.
O interesse dos pesquisadores
O local despertou a curiosidade pesquisadores quando Burei publicou as fotos em redes sociais, na internet. Professores do Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná e São Paulo foram até o local para reconhecer a origem geológica até então desconhecida no Brasil.

Em alguns trechos da Caverna percebeu-se que o chão é oco, o que segundo especialistas, indica que deve haver outros dutos embaixo da Casa da Pedra. Para ele, pelas características da região podem haver outras raridades escondidas no Terceiro Planalto paranaense.

Veja lista com aves flagradas em situações curiosas

Em El Salvador, atobá-pardo usou tartaruga como boia.
Nos EUA, garça foi fotografada descansando sobre aligátor.

Do G1, em São Paulo

Abaixo, o G1 reúne imagens de aves flagradas em situações curiosas. Nos EUA, uma garça foi fotografada descansando sobre um aligátor (jacaré americano) ao confundir o réptil com um tronco. Em El Salvador, um atobá-pardo usou uma tartaruga como boia.
Em 2009, uma garça branca pequena foi flagrada em cima das costas de um aligátor em Orlando, no estado da Flórida (EUA). Provavelmente, a ave confundiu a ‘máquina assassina’ com um tronco flutuante, um disfarce que o réptil usa como armadilha. A garça, porém, escapou de virar comida do jacaré, já que o réptil só percebeu a ave atrevida quando ela voou.  (Foto: Barry Bland/Barcroft Media/Getty Images)Em 2009, uma garça branca pequena foi flagrada em cima das costas de um aligátor em Orlando, no estado da Flórida (EUA). Provavelmente, a ave confundiu a ‘máquina assassina’ com um tronco flutuante, um disfarce que o réptil usa como armadilha. A garça, porém, escapou de virar comida do jacaré, já que o réptil só percebeu a ave atrevida quando ela voou. (Foto: Barry Bland/Barcroft Media/Getty Images)
No dia 4 de fevereiro, um atobá-pardo foi fotografado usando uma tartaruga como boia. A cena foi registrada perto da praia Los Cobanos, 84 km a oeste de San Salvador, em El Salvador. (Foto: Jose Cabezas/AFP)No dia 4 de fevereiro, um atobá-pardo foi fotografado usando uma tartaruga como boia. A cena foi registrada perto da praia Los Cobanos, 84 km a oeste de San Salvador, em El Salvador. (Foto: Jose Cabezas/AFP)
Em dezembro de 2007, um pásssaro foi fotografado pendurado em um galho perto Minley Manor, Farnborough, a 40 quilômetros de Londres, na Inglaterra. (Foto: Adrian Dennis/AFP)Em dezembro de 2007, um pássaro foi fotografado pendurado em um galho perto Minley Manor, Farnborough, a 40 quilômetros de Londres, na Inglaterra. (Foto: Adrian Dennis/AFP)
Em novembro de 2011, um cisne foi fotografado em uma posição curiosa às margens do rio Vltava, em Praga, na República Tcheca. A ave estava com a cabeça virada, dando a impressão que seus pés estavam para trás, lembrando a figura do folclore brasileiro 'Curupira', que tem como característica principal justamente os pés em posição invertida. (Foto: Michal Cizek/AFP)Em novembro de 2011, um cisne foi fotografado em uma posição curiosa às margens do rio Vltava, em Praga, na República Tcheca. A ave estava com a cabeça virada, dando a impressão que seus pés estavam para trás, lembrando a figura do folclore brasileiro 'Curupira', que tem como característica principal justamente os pés em posição invertida. (Foto: Michal Cizek/AFP)
Em novembro de 2010, uma gaivota se contorceu toda para conseguir pegar um pedaço de comida no lago Ammersee, perto da cidade alemã de Herrsching. (Foto: Marc Müller/AFP)Em novembro de 2010, uma gaivota se contorceu toda para conseguir pegar um pedaço de comida no lago Ammersee, perto da cidade alemã de Herrsching. (Foto: Marc Müller/AFP)

Who buys music anyway?

Recently, I read a blog post on how Spotify makes buying music obsolete. While I enjoy streaming music (as long as I don't have to pay for it) and online radio, I do think there are still reasons for buying records and/or music. In my case, I don't buy music through iTunes or any other digital service, but I buy the physical albums (either online or in a music store) and I pride myself very much in my music collection. Now filling two CD cupboards, my music collection has been quite an investment during my studies and now as a poor graduate student - and a weight and volume of stuff that I have moving along with me (except for the year I spent in the US, and along with my cat Pasha (and friends and family, admittedly), my CD collection is what I missed most having around me). Why would I still stick to buying entire albums, on a real CD?

1. The artwork and lyrics
I love artwork - and I think it provides an additional dimension to the music you are listening to. Can you imagine, for example, Pink Floyd's Dark Side of the Moon without its artwork? Moreover, I enjoy flipping through the booklet while reading the lyrics.

2. The collection element

Because music is important for me, collecting CDs feels very natural to me, just like buying merchandise of bands I like. And then there is the real collectors urge in there to "complete" series and own the entire discography of a certain artist - all these neatly arranged together by artist, and for every artist arranged in chronological order.

3. A library of my past and current taste in music
While I sometimes forget about an artist that I used to like very much for a certain period of time, having the albums out there and visible makes it easy to rediscover artist that you haven't listened to in a while.

4. A little project
For over a year now, I've been listening to all my CDs by starting at the very beginning of my collection (Abba's "18 hits") to the very end ("Woodstock 40"), and at the moment I am at the artists starting with "R" (Renaissance - Day of the Dreamer). So far, it's been a fun little project that made me discover past likes, but also made me listen to entire discographies of artists and thus discover new lines in their music. I'm now at the letter "R", with 2 more shelves to go until the end of my collection.

Remington Delivers!



I am very proud to say that the 'Hanoverian Hurricane' stepped up and produced another fantastic dressage test today.  Mike Barisone warmed me up to perfection this afternoon at Barbury international CIC *** and  Remi went in the ring and put forth a great test that was nearly as good as his performance at Bromont.

He is placed 3rd behind Andrew Nicholson in 1st, and Jocko, 'the bricky from Campbelltown (link)' Paget in 2nd.  Remi is on a score of 43 in a red hot field of many Olympic contenders.  It was great to have Ron and Densey here cheering him on at one of his final competitions in a sensational career that has taken him to competitions in seven different countries.




Tomorrow is another day with the jumping.  The show jumping course will be tough, with a course design that is built over undulating ground.  I believe all three of my horses should jump clear if I ride them well.

Cheers,

Boyd

ANIVERSARIANTES DO DIA

PEDRO DE BEIJA
ITINHO DE PELADO
MIGUEL LOPES
VITÓRIA LORRANY
GILVANEIDE
KINININHA (LUZIVAN)
JANIQUELE
EDINILDA
RONALDO

Aranha viúva-marrom toma o lugar da viúva-negra nos EUA, diz estudo

Espécie marrom só passou a viver no sul da Califórnia a partir de 2003.
Estudo coletou amostras em 72 locais e viu que animais brigam por habitat.

Do G1, em São Paulo
Cientistas americanos analisaram a presença de aranhas na Califórnia e perceberam que as viúvas-marrons podem estar ocupando o lugar das viúvas-negras no sul do estado. A conclusão do estudo será publicada na edição de julho da revista científica “Journal of Medical Entomology”.
A espécie marrom é relativamente nova na América do Norte: foi documentada na Flórida pela primeira vez em 1935, mas na Califórnia só apareceu em 2003. No entanto, na última década tem ocorrido uma grande proliferação desses artrópodes.
Se essa substituição se comprovar, o perigo para os donos das casas pode diminuir, já que a picada da viúva-marrom é menos tóxica que a da viúva-negra, nativa do oeste dos EUA e capaz de provocar sintomas como suor excessivo, dor local intensa e no abdômen, choque anafilático e até a morte em muitos casos.
Viúva marrom (Foto: Richard S. Vetter/Centro de Pesquisa de Viúva-Marrom/Universidade da Califórnia)Viúva-marrom (foto) está tomando o lugar da viúva-negra no sul da Califórnia. Picada da espécie marrom é menos tóxica que a da negra, segundo os pesquisadores (Foto: Richard S. Vetter/Universidade da Califórnia)
Os autores analisaram a presença desses animais em 72 locais, como imóveis urbanos, terrenos agrícolas, parques e áreas naturais. Assim, puderam comparar a abundância e a seleção de habitat das duas espécies.
Em quase 97 horas de coleta, os cientistas encontraram 20 vezes mais viúvas-marrons que negras fora das casas, especialmente embaixo de mesas e cadeiras ao ar livre e em pequenos espaços de muros, paredes e objetos. Nenhuma aranha foi encontrada no interior das casas.
Segundo Richard Vetter, da Universidade da Califórnia em Riverside, as viúvas-marrons realmente se multiplicaram em um tempo muito curto, sendo detectadas em locais onde era esperado haver viúvas-negras. Isso revela uma concorrência e uma certa sobreposição de habitat.
Havia lugares onde somente as viúvas-marrons eram capazes de fazer casas, mas em outros as negras ainda predominavam. Segundo os pesquisadores, os proprietários das casas precisam conhecer os esconderijos das viúvas-marrons e ter mais cuidado ao colocar as mãos em cantos desconhecidos.

Fotos de sucuri embaixo d'água em MS viram hit no Facebook

Imagens deixaram usuários desconfiados sobre autenticidade.
Biólogo que captou imagens afirma que não há manipulação.

Do G1 MS

Mergulhadores estrangeiros captam imagens subaquáticas de sucuri (Foto: Daniel De Granville / Photo in Natura)Mergulhadores estrangeiros captam imagens subaquáticas de sucuri (Foto: Daniel De Granville / Photo in Natura)
Imagens de uma sucuri sendo fotografada embaixo d'água provocaram debate e viraram hit esta semana no Facebook, quando usuários compartilharam as fotos e fizeram comentários duvidando sobre a autenticidade dos registros. O biólogo Daniel De Granville, autor das imagens, contou ao G1 que captou o momento em que mergulhadores estrangeiros fotografavam uma sucuri com cerca de sete metros de comprimento no rio Formoso, em Bonito, a 300 km de Campo Grande.
De Granville garante que as fotos são originais e feitas em ambiente natural, sem qualquer manipulação digital além dos ajustes básicos de cores, nitidez e saturação. As imagens foram captadas em agosto de 2010, em um local distante dos atrativos turísticos da cidade e que não é usado para passeios.
No detalhe, sucuri emergindo do rio (Foto: Daniel De Granville / Photo in Natura)No detalhe, sucuri emergindo do rio (Foto: Daniel
De Granville / Photo in Natura)
O acesso, segundo o biólogo, é restrito apenas a pesquisadores ou equipes de filmagem. De Granville explica que a sucuri é um animal tímido e tende a se afastar de locais onde há presença humana constante. “A possibilidade de encontrar um animal deste porte nos passeios visitados pelos turistas que vêm à região é muito remota”, diz.
Em relação ao processo de captura das imagens, o biólogo comenta que esteve acompanhado de fotógrafos chineses, checos e suíços, além do proprietário de uma agência de turismo especializada em filmagens subaquáticas. “Encontramos um local com mais chances de observá-la e fomos vários dias até lá. Eles conseguiram imagens do animal fora d'água, mas o objetivo principal eram as fotos subaquáticas”, comenta.
Animal é tímido e se afasta da presença humana, diz biólogo (Foto: Daniel De Granville / Photo in Natura)Tímido, animal se afasta da presença humana, diz
biólogo (Foto: Daniel De Granville / Photo in Natura)
Ainda segundo o biólogo, o animal não demonstrou agressividade, e que em nenhum momento houve acidentes ou situações de perigo para a equipe. “É um bicho muito tolerante. Ficamos mais de 40 minutos fotografando, acompanhando”, disse. Caso um turista se depare com uma sucuri, De Granville lembra que o animal deve ser respeitado em seu habitat. “É fundamental que não se bloqueie sua rota de fuga ou tente irritá-la através da manipulação, cutucadas, barulho”, diz.
Sucuri foi fotografada até sair do rio Formoso, em Bonito (Foto: Daniel De Granville / Photo in Natura)Sucuri foi fotografada até sair do rio Formoso, em Bonito (Foto: Daniel De Granville / Photo in Natura)

CONVENÇÃO DO PSD EM JARDIM DE PIRANHAS

 Convenção do PSD realizada no dia 28 de junho,  arrastou multidões pela cidade e lotou o cap, mostrando a garra e a determinação de um povo que acreditam na mudança.
Elídio e Naná foram aclamados e aplaudidos pela multidão de eleitores que lá estavam em busca da vitória.
















Update from England



The mandatory outing at Barbury Castle is underway. For the leader board click here.

Well guys,

We had a good start to Barbury with Nev and Otis in the dressage today. Both horses have gotten better and better with every training session with my personal dressage coach Michael Barisone .  Big Mike has been great helping me work the horses this week, working on their softness and suppleness.

Nev was on first thing this morning and put in a great test that was similar to his test at Bromont.  He was precise, accurate and pretty fancy.  The best factor about the test was how calm and rideable he was. 

Otis is also getting better and better also with every outing.  He was better than Nev in the trot, but was a little greener in the canter, which cost a couple of points.  All in all, I am very happy with the Flying Frenchman today, as he was a little more settled than during his last test at Bromont.

Tomorrow Remi is on last thing in the afternoon.  The plan is to turn him loose and put in a dazzler....

Boyd




Neville schooling dressage

Otis and Lindsey

Otis schooling dressage



Ten great blogs for PhD students

Since I started reading blogs at 6 months into my PhD program, I've gained some valuable insights from my favorite blogs.
An exhaustive list would only lure you into getting more clutter into your information stream - so here are my 10 favorites (in no particular order)

1. Happy Science
Cheek-in-tongue blog on science, social media, and pharma-research. If the thought of seeing your make-up under a microscope makes you giggle, don't hesitate and head to Happy Science.

2. Peoplegogy
This blog reads like a magazine, with a wide range of topics that I enjoy reading very much. You particularly might like the "Doctoral Confessions" series.

3. The Dutch PhD Coach
I was planning to drop the link to Arjenne's "Louter Promoveren" blog in Dutch when I discovered there is now an English offspring too. Great content - these articles might as well come from a book with advice on the PhD process.

4. Only a model
A website and blog by a fellow PhD student in Structural Engineering. Interesting posts on finite element modeling, workflow processes and academic teaching.

5. Dr Sustainable
Only about a month old, this blog has managed to provide some great content and a lively forum with comments. I have high expectations of seeing more interesting content coming up here.

6. Get a life, PhD
Combining a career in academia with a family, and still finding time for yourself? I enjoy reading this blog while wondering how my future self will relate to these issues.

7. Gradhacker
Life- and studyhacking for graduate students - with contributions from a large authorship.

8. Matt Might's blog
While the computer science in there is all Greek to me, the articles on graduate school and productivity are very much worth reading.

9. PhD2Published
With a wealth of wisdom on academic writing in its archives, this blog also provides a Weekly Wisdom sections on Everything You Wanted to Know in Academia.

10. Thesis Whisperer
We don't need to introduce this one, right?

Barbury Times

Barbury Ride Times are up:

THURSDAY:
854 Neville
926 Tate
1111 Glen
1216 Mr. Medicott
1240 Arthur
1526 Otis
1615 Mighty Nice
1719 Twizzel.

FRIDAY:
0854 Andromaque
950 Whisper
1135 Finn
1623 Remi..

Participação da Escola Costa e Silva na 1ª Mostra Digital

                No dia 20 de junho a Escola Presidente Costa e Silva participou da primeira Mostra Digital, ocasião onde professores, a diretora e alguns alunos participaram desse evento.
                A diretora da nossa escola, professora Sandra, falou sobre o programa UCA (Um Computador por aluno), ela falou como foram feitas as instalações da internet na escola, entre outros assuntos. O professor Andre falou um pouco do projeto SCRATCH e demonstrou como ele funciona, ele até selecionou alguns alunos para apresentarem seus comandos que fizeram,foi muito legal. O trabalho que apresentamos falou sobre os protozoários, os outros sobre Van Gog e Radiação.
                A professora Ninfa falou sobre os blogs que criou com as turmas, ela se emocionou muito, ela chegou a agradecer a professora Angela, monitora da Sala de Informática Educativa. A professora Maria Rosania falou sobre o Google Docs, um recurso que quase ninguém conhece, ela também ficou feliz J  com o nosso trabalho.
                Os outros professores que estavam lá ficaram muito impressionados com o assunto e admirados com a tecnologia da nossa escola.

Cientistas descobrem espécie de caranguejo roxo nas Filipinas

Esta e mais três espécies foram encontradas por especialistas da Alemanha.
Caranguejo roxo vive em água doce.

Da AFP

Caranguejo roxo descoberto nas Filipinas (Foto: AFP Photo/Hendrik Freitag/Museu de Zoologia Senckenberg)Cientistas alemães descobriram nas Filipinas uma espécie de caranguejo que ainda não era conhecida. O 'novo' caranguejo chama a atenção pela cor roxa da sua casca (Foto: AFP Photo/Hendrik Freitag/Museu de Zoologia Senckenberg)
Caranguejo roxo descoberto nas Filipinas (Foto: AFP Photo/Hendrik Freitag/Museu de Zoologia Senckenberg)O caranguejo roxo é uma das quatro espécies de caranguejo de água doce descobertas pelos especialistas do Museu de Zoologia Senckenberg na expedição. Os animais foram descobertos no arquipélago de Palawan e descritos em um artigo científico recente (Foto: AFP Photo/Hendrik Freitag/Museu de Zoologia Senckenberg)

Governo muda limites de unidades de preservação para viabilizar usinas

Hidrelétricas alagariam partes protegidas da Amazônia.
Novas áreas foram incorporadas para compensar.

Tadeu Meniconi Do Globo Natureza, em São Paulo
Comente agora
O Diário Oficial da União desta terça-feira (26) publicou uma alteração nos limites de oito unidades de preservação ambientais localizadas na região da Amazônia. Um dos objetivos da mudança é viabilizar a construção de usinas hidrelétricas no Complexo do Tapajós, no Pará, e também da usina de Santo Antônio, em Rondônia.
Com a redefinição dos limites, áreas que antes eram protegidas por lei poderão ser alagadas pelas represas dessas usinas. Em contrapartida, as unidades de preservação serão ampliadas em outros pontos.
Na soma das oito unidades remarcadas, 164.480 hectares perderam o status de área protegida, mas 185.419 hectares foram incorporados. Ou seja, as áreas protegidas tiveram um aumento líquido de 20.939 hectares.
Usina Hidrelétrica Santo Antônio está gerando energia desde março deste ano (Foto: Divulgação/Santo Antônio Energia)Usina Hidrelétrica Santo Antônio, em Rondônia (Foto: Divulgação/Santo Antônio Energia)
“Nós não iríamos autorizar sem que houvesse a redefinição dos limites”, garantiu Roberto Vizentin, presidente do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), órgão do Ministério do Meio Ambiente que participou do processo de redefinição dos limites. “É uma perda calculada, a gente perdeu de um lado e ganhou do outro”, definiu.
Segundo Vizentin, foi feito um estudo de campo para garantir que as novas áreas incorporadas às unidades de preservação tenham biodiversidade semelhante à das áreas inundadas, para evitar a perda de espécies ameaçadas.
Além da construção das hidrelétricas, a presença de trabalhadores rurais na região também motivou a alteração dos limites. Vizentin contou que comunidades tradicionais ocupavam a área havia muito tempo, antes mesmo da demarcação das unidades de preservação, e que essas áreas deixaram de ser protegidas para permitir a regularização das terras.
“É uma medida de natureza mais social que qualquer outro tipo de flexibilização para legalizar grilagem de terras em unidades de conservação. Não se confundem as coisas”, afirmou o presidente da ICMBio.
As unidades afetadas pela medida que entrou em vigor nesta terça são os Parques Nacionais da Amazônia (PA e AM), dos Campos Amazônicos (AM, RO e MT) e Mapinguari (RO), as Florestas Nacionais de Itaituba I (PA), Itaituba II (PA), do Crepori (PA) e do Tapajós (PA) e a Área de Proteção Ambiental do Tapajós (PA).

Quase metade dos brasileiros não controla uso de água, aponta pesquisa

Estudo indica que 48% da população admite gastar água com pouco controle.
Levantamento divulgado nesta terça foi feito pelo WWF e banco HSBC.

Da Valor OnLine

Pesquisa encomendada ao Ibope pela organização não governamental WWF-Brasil revela que o brasileiro desperdiça água, mesmo sabendo como economizar o recurso natural.

Os dados divulgados nesta terça-feira (26) informam que 48% da população admite gastar água em suas casas com pouco controle, 30% demoram mais de dez minutos no banho e 29% dos domicílios no Nordeste sofrem com a constante falta do insumo.
Apesar de a indústria ser frequentemente apontada como a vilã do desperdício, a produção agrícola é listada como responsável por 70% do gasto de água no país e pelo maior desperdício desse recurso.
O levantamento faz parte do "Programa Água para a Vida", parceria entre a WWF e o banco inglês HSBC, e mostra que houve melhora da consciência nacional em relação a importância dos recursos hídricos, em relação aos últimos cinco anos, quando foi feito o primeiro estudo.

Para diretor da Agência Nacional de Águas, Rio+20 é momento de se criar políticas globais que fiscalizem uso da água e melhor distribuição de recursos hídricos nos países.  (Foto: César Manso/AFP)Consumo médio diário de água por habitante no Brasil é de 185 litros. Europeus gastam 200 litros diários/per capita. (Foto: César Manso/AFP)
Poluição dos rios
A pesquisa foi feita com 2.002 pessoas no fim de 2011 em 26 estados e apontou que, apesar de a indústria ser vista como a maior poluidora por 77% da população, a poluição das águas por uso doméstico muitas vezes supera a poluição industrial nas grandes cidades.
O consumo médio diário de água por habitante no Brasil é de 185 litros, considerado normal e muito próximo do índice da Comunidade Europeia, que consome cerca de 200 litros diários por pessoa.

O gasto médio, porém, passa longe do consumo diário registrado em regiões secas como o semiárido brasileiro - abaixo de 100 litros diários -, e de partes da África subsaariana, abaixo de 50 litros.
A pesquisa mostrou ainda que apenas 1% dos entrevistados reconhece que o desmatamento é uma das causas do agravamento do problema de água no Brasil.
"O tema água doce, seus problemas e oportunidades, ainda precisa ser melhor compreendido pelo cidadão brasileiro. A urbanização crescente do país nas últimas décadas levou mais de 80% da população a morar nos grandes centros. O descompasso entre o reconhecimento do problema e a tomada de atitudes precisa ser compreendido. A visão sobre a água é limitada, assim como a percepção dos seus problemas", avalia Maria Cecília Wey de Brito, presidente do conselho diretor do WWF-Brasil, ao analisar a pesquisa.
A Agência Nacional de Águas (ANA) é desconhecida de 87% das pessoas ouvidas na pesquisa.

DIA 28 VOCÊ ESTÁ CONVIDADO PARA TAMBÉM FAZER PARTE DESTA FAMÍLIA , PARTICIPE DA CONVENÇÃO DO PSD, É DIA 28 NESTA QUINTA FEIRA.

2012 PVDA Ride For Life

We had the best weekend at Ride For Life in Maryland! Kymmy, Amy and I took 6 horses and Kymmy also rode Sheelagh Christiansen's horse Comet at the show.
As everybody can imagie, it was a busy weekend with seven horses: all the tests were one after another, plus the heat was making everybody very tired....
Kymmy catches some Z's
We missed having Devon with us but Kymmy was absolutely amazing this weekend. She had everything and everybody organized and the horses looked gorgeous. I could not do what I do without her; I do not have to worry about anything and can really focus on my tests and my horses. I am very lucky that I have such great girls helping me! Amy, Sheelagh and our friend Cheryl also helped out a lot. We had a lot of fun !

I rode Stately, Rosa, Domino Effect, Vanderbild and Elite Pharis. Amy rode her mare Constantina, ("Cece").

Kymmy showed Comet for the first time this weekend in third level and she did a great job. The first test went well with just a few little bobbles. Kymmy had to get a feel for Comet in the ring, and the next test on Sunday was much, much better and they finished fifth!

This was only the third show for Amy together and PVDA is a big show with big classes and a lot of competition. Amy and Cece have come such a long way together and they are really starting to get a bond. Cece is the best little mare and she is perfect for Amy. They finished fifth with a 63% in training 2 on Saturday and scored 67% on Sunday in training 2 and finished eighth.
Amy and Cece
My horses were wonderful all weekend! Elite Pharis is just keeping up the good work and won both his second level classes again with amazing scores. We won second level test 2 on Saturday with 73% and won second level test 3 on Sunday with 74%.  Pharis is such a good horse and the judges love him. If anybody is looking for an honest , stunning looking horse that they can be very competitive with give me a call. Pharis is your horse!

Vanderbild was a little excited about the atmosphere and everything going on at the showgrounds on Saturday but he relaxed much more on Sunday and we finished third in his second time competing in a first level test with 68%. Vandy is only 5 years old and needs to go a lot more places but I think he is very, very talented and beautiful to ride.

I showed Domino Effect for Jacky Kinny. Jacky injured her leg falling of a young horse and asked me if I could ride Domino for a while. Since I have been riding him at home we decided it would be fun to take him to the show, and FUN it was! Domino is one of those horses that everybody looks for but cannot find. He is a true gentleman and has so much talent. I loved riding him in the show ring! He did not put a foot wrong in both fourth level tests; we won on both days with 71%.


Rosa Cha was her perfect self again this weekend. She loved all the atmosphere and was showing off big time. She is such a special mare for me because she has a lot of energy, which makes the warm up a little exciting at times but in the arena she knows it's time to shine. She is only 7 years old and the fourth level tests are not easy. Rosa had not placed second one time at fourth level - she has won every time - but because I also rode Domino, who is three years older and very solid, Rosa came in second very close behind Domino. Oh, she was not happy!!!
And Stately, surprise, surprise, was awesome! We performed in the Breast Cancer benefit gala on Saturday night: our theme was the play War Horse. My friend Cheryl Griffith has gone above and beyond, sewing her fingers bloody, making and outfit for Stately and me. It looked absolutely beautiful, and Ann Miller did an amazing job with my freestyle music!
Stately with Cheryl
Stately with owner Faye Woolf
Stately was a trooper with the costume and the lights and the music. He was fabulous - though in the first part of the canter the leg straps must have gotten too tight in between his legs and he put in a big buck!
Check out the story and videos on Horse Junkies United
On Sunday Stately and I showed in fourth level test 2 and he was better then ever! We won with 77%!!!


Silva


ANIVERSARIANTES DO DIA

AMILTON MOTO-TAXI
IVANEIDE DE EDIVAN
LUCIANA DE BIITA
LINO DE LAURO
MARIA CÍCERA DE LUIZ NOGUEIRA
JOÃO ELÓI DO POÇO DA ONÇA
ZÉ DE MANEZIM
YURI  DANTAS DE RONALDO

LEOZINHO DE LEÓBIO
IRIS
RITA DE GERALDO BANDEIRA
JECKSON
JOELMA DE GILVANETE
EDUARDA

Jacarés, jibóias e preguiças são os animais mais resgatados em Manaus

Entre janeiro e maio deste ano, 493 animais já foram resgatados.
Preguiças sofreram com a derrubada das florestas no Parque 10.

Adneison Severiano Do G1 AM
Espécie recebeu cuidados médicos na reserva Sauim Castanheiras (Foto: Carlos Eduardo Matos/G1 AM)
Tamanduá-mambira após ser resgatado no Distrito Industrial II recebeu cuidadaos da equipe da Reserva Sauim-Castanheiras (Foto: Carlos Eduardo Matos/G1 AM)
Entre os meses de janeiro e maio deste ano, 493 animais foram resgatados de áreas urbanas de Manaus e encaminhados às reservas ecológicas do Amazonas. Os dados integram o levantamento do Refúgio da Vida Silvestre Sauim-Castanheiras.
As espécies mais resgatadas são jacarés, jibóias e preguiças. Especialistas avaliam que volume de casos não tem registrado crescimento em relação ao comparativo com o mesmo período dos últimos anos.
O major Diniz, comandante do Batalhão Ambiental da Polícia Militar (PM), explicou que o volume de resgate permanece dentro do volume registrado em anos anteriores, mesmo com o crescimento imobiliária em alguns pontos da cidade, que culminou na derrubada de algumas áreas de floresta.
“Na área do Parque Dez, por exemplo, o avanço das construções de imóveis comprometeu áreas de mata que eram habitat natural das preguiças. Alguns animais conseguem viver bem no meio urbano, mas outros, como é o caso da preguiça, não conseguem sobreviver onde não há mata e sem o alimento que é um tipo de broto de árvore”, esclareceu major Diniz.
O Batalhão Ambiental da Polícia Militar ressaltou que os animais em bom estado de saúde são reintroduzidos em florestas onde há condições para adaptação e sobrevivência. “Alguns animais quando estão saudáveis, não apresentam comportamento de estresse, parasitas ou machucados", afirmou o major.
Ainda segundo ele, essas reservas são monitoradas por GPS, o que possibilita a realização de um levantamento de quantas espécies povoam a área da floresta. Com isso, é possível não superlotar o ambiente e prejudicá-las devido a redução da oferta de alimentos na natureza.
Quanto aos animais em estado debilitado de saúde, as espécies são remanejadas para Refúgio da Vida Silvestre Sauim-Castanheiras, Unidade de Conservação de Proteção Integral, gerida pela Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Sustentabilidade (SEMMAS) e para o Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e Recursos Naturais Renováveis (Ibama), em Manaus.
“Recentemente encaminhamos para o Ibama, 145 quelônios para avaliação através de exames e análise do comportamento, visando detectar se os animais poderiam ser reintegrados no meio natural ou se estavam com bactérias. Além disso, se houvesse contaminação os quelônios poderiam infectar os demais animais da espécie soltos na natureza. Porém, cerca 25 morreram”, relatou Major Diniz.
O comandante do Batalhão Ambiental da PM enfatizou que, caso o cidadão se depare com um animal silvestre em perigo ou oferecendo risco à população, o procedimento correto é acionar a equipe do órgão pelo telefone 190 ou ligar para o disque-denúncia da Semmas através 0800-092-2000. “O Batalhão Ambiental tem como foco combater os maus-tratos dos animais, mas caso o animal ofereça risco como, por exemplo, um animal peçonhento, também atenderemos a solicitação”, destacou major Diniz.
Destino dos animais
O gestor do Centro de Triagem de Animais Silvestres do Refúgio Sauim-Castanheiras, Laérzio Chiezorin, esclareceu que os animais que não são reintegrados à natureza logo após o resgate, permanecendo no refúgio até que seja encontrado um local adequado.
“Antes da destinação final do animal, o Ibama realiza uma verificação rigorosa para avaliar se o cativeiro, que são zoológicos e criadores autorizados pelo órgão, possuem condições técnicas e local para manter a espécie. Em alguns casos, as consultas são feitas juntamente com Ibamas de outros estados. Só depois disso que é definido se o animal será destinado ou não para o local”, explicou o gestor.
Na avaliação do especialista, o número de casos de animais resgatados em áreas urbanas em Manaus não tem registrado crescimento em virtude do trabalho preventivo contra o desmatamento de áreas de preservação ambiental.
Animal teve pata machucada devido à força da descarga elétrica (Foto: Márcio James/Semcom)Animal teve pata machucada devido à força da descarga elétrica (Foto: Márcio James/Semcom)
Preguiça-real
No início deste ano, uma preguiça-real resgatada após ser atingida por choques do fio de alta tensão de rede elétrica, teve seu estado de saúde agravado e foi submetida a uma eutanásia.
Uma das patas dianteiras sofre necropsia e teve de ser amputada. Depois do procedimento, o animal sofreu uma infecção generalizada e a outra pata dianteira também começou a sofrer o mesmo processo. Para abreviar a dor do animal, especialistas do Centro de Triagem de Animais Silvestres do Refúgio Sauim Castanheiras realizaram a eutanásia.

Ibama não se intimidará com ameaças feitas em Mato Grosso, diz diretor

Servidores foram ameaçados após esquema de extração ser flagrado.
Com chips, agentes monitoraram caminho da madeira extraída ilegalmente.

Leandro J. Nascimento Do G1 MT

Toras madeira MT (Foto: Reprodução /TVCA)Toras foram 'chipadas' para descobrir esquema.
(Foto: Reprodução /TVCA)
O diretor de Proteção Ambiental do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Renováveis (Ibama) em Brasília, Ramiro Hofmeister, disse nesta segunda-feira (25), ao G1, que a autarquia não vai se intimidar com as ameaças feitas a servidores que atuam nas operações de combate ao desmatamento e uso de madeiras ilegalmente retiradas da floresta por empresas do setor madeireiro. O caso veio à tona após agentes flagrarem na região norte de Mato Grosso um esquema de retirada e comércio de toras.

Com auxílio de chips, os agentes da unidade regional de Sinop, município distante 503 quilômetros de Cuiabá, descobriram que boa parte da madeira extraída de uma área particular era aproveitada em empresas das cidades de Cláudia e União do Sul, segundo reportagem exibida no Jornal Hoje. Nos últimos seis anos, conforme o Ibama, o prejuízo à floresta – com a derrubada de árvores – somou aproximadamente R$ 20 milhões.
O gerente da unidade de Sinop, Evandro Carlos Selva, é um dos servidores que passou a receber ameaças após o esquema criminoso ser revelado. De acordo com ele, pelo menos 50% das madeiras utilizadas por empresas do setor madeireiro é proveniente de extração ilegal.
Para Hofmeister, as intimidações só surgiram porque Ibama e polícia estão próximos de chegarem aos chamados 'mentores' do crime. A Polícia Federal deve acompanhar o caso. Além disso, o Ibama deve receber reforço no efetivo em Mato Grosso, explica o diretor. “Não subestimamos as ameaças, mas quando elas vêm é porque os ilícitos se tornam claros”, disse Ramiro.

Para o diretor, as constatações evidenciam a existência de uma prática clandestina e que, ao longo dos anos, contribuiu para consumir a floresta. Outra infração a ser investigada pelo poder público é o aproveitamento das toras a partir de documentos 'esquentados'.
Mato Grosso figura com frequência no ranking dos maiores desmatadores da Floresta Amazônica. Na última semana, dados divulgados pelo Imazon mostraram que na unidade federada o desmatamento realizado entre agosto de 2011 a maio de 2012 totalizou 292 quilômetros quadrados, seguido de perto pelo Pará com 288 quilômetros quadrados.
Madeireiras que receberam exemplares de madeira com os chips foram fechadas pelo Instituto. O caso é acompanhado pelo Ministério Público Estadual (MPE). Mas conforme o promotor Danilo Vieira, ‘crimes ambientais são tidos como aqueles de menor potencial ofensivo’. Na prática, quem é flagrado cometendo situações desta natureza não é preso.

Fragilidade

 Ao mesmo tempo em que o Ibama diz estar mantendo o cerco contra os desmatadores em Mato Grosso, o diretor de Proteção Ambiental chama atenção para a necessidade de atuação conjunta com a Secretaria de Estado de Meio Ambiente (Sema). O Ibama cobra da Sema mais empenho na fiscalização de empreendimentos do setor madeireiro.

“Quando os estados não cumprem sua função, nós vamos lá e fazemos. De acordo com a Lei Complementar 140 quem fiscaliza é quem licencia. Não é uma crítica aos servidores da Sema, mas é o sinal de uma fragilidade uma vez que se tem que cumprir a lei”, ponderou o diretor do Ibama.
Ao G1, o secretário de Meio Ambiente de Mato Grosso, Vicente Falcão, disse que o estado tem fiscalizado madeireiras, e que uma das formas de descobrir se atuam na ilegalidade é por meio do sistema que regula a entrada e a saída de madeira das empresas. Mas ele critica a participação de empresários em esquemas criminosos. "Só se comete a falha se alguém do setor receber", alertou.
O caminho da madeira
Chips instalados em toras ajudaram o Ibama a registrar o movimento das madeiras que foram extraídas. Infratores aproveitavam especialmente o período noturno para carregar os caminhões. De acordo com o Ibama, estima-se que pelo menos nove das 45 serrarias instaladas entre Cláudia e União do Sul recebem madeiras furtadas.
Valores pagos na madeira estimulam o consumo ilegal, segundo o Ibama. Se em estágio bruto uma tora chega a valer R$ 180 o metro cúbico, quando chega ao mercado consumidor final pode valer até R$ 1,9 mil o metro cúbico.
A ministra do Meio Ambiente, Isabella Teixeira, cobrou o envolvimento dos estados e municípios na luta pela preservação do meio ambiente. "Os estados precisam atuar na fiscalização", citou. Toda a movimentação da madeira foi exibida durante o quadro Câmera JH.
Sindusmad lamenta
O Sindicato das Indústrias Madeireiras do Norte de Mato Grosso (Sindusmad) informou por meio de nota "lamentar os fatos veiculados em mídia nacional referentes ao roubo de toras na propriedade, repudiando atos criminosos, seja os praticados por ladrões de toras, seja os relativos e decorrentes de disputas de terras".
De acordo com o sindicato, "nenhum dos envolvidos [empresários que recebiam madeira ilegal] é filiado ao Sindusmad". Além disso, afirma que "se no decorrer da investigação algum for identificado, será sumariamente excluído".

Contaminado por chumbo, condor-da-Califórnia corre risco de extinção

Espécie é uma das maiores aves voadoras do mundo.
Chumbo usado em munições está contaminando população.

Do Globo Natureza, em São Paulo
A recuperação do condor-da-Califórnia, uma espécie extremamente ameaçada de extinção, esbarra na contaminação pelo chumbo encontrado em munições, informa uma pesquisa científica divulgada na edição desta terça-feira (26) da revista da Academia Nacional de Ciências dos Estados Unidos.
Condor-da-Califórnia é uma das maiores aves do mundo. (Foto: Cortesia/Joe Burnett )Condor-da-Califórnia é uma das maiores aves do mundo. (Foto: Cortesia/Joe Burnett )
Essa espécie de condor é uma das maiores aves voadoras do mundo e está sob risco de extinção. Em 1982, segundo o estudo, apenas 22 exemplares restavam. Após um intenso trabalho de recuperação, o número saltou para 400 animais no final de 2010 – ainda muito baixo para manter uma população estável.
Agora, o estudo apresentado por Myra Finkelstein, da Universidade da Califórnia em Santa Cruz, indica que, sem intervenção humana para tratar a contaminação, a espécie pode desaparecer em poucas décadas.
Os condores se alimentam de carcaças, da mesma maneira que urubus e abutres. Uma de suas principais fontes de alimentação são mamíferos de grande porte abatidos por caçadores, como os veados. Segundo a pesquisa, as aves se contaminam ao ingerir fragmentos das balas usadas na caça.
Os cientistas capturam regularmente condores-da-Califórnia para tratamento. Anualmente, uma em cada cinco aves encontradas precisa ser desintoxicada. Após o apoio veterinário, ela é devolvida ao meio ambiente.
O condor-da-Califórnia, ameaçado de extinção. (Foto: Cortesia/Daniel George)O condor-da-Califórnia, ameaçado de extinção. (Foto: Cortesia/Daniel George)

Humorista jardinense Kalberg Azevedo faz show para publico de 10 mil pessoas no Distrito Federal

O humorista jardinense Kalberg Azevedo,se apresentou no ultimo final de semana na cidade de São Sebastião, que fica próximo a capital federal Brasilia.Kalberg,recebeu o convite do seu conterrâneo Marcos Maia, que tem uma empresa que promove eventos no Distrito Federal e cidades vizinhas que se chama MM PRODUÇÕES, que algum tempo vem se destacando nesta área de entretenimento.

Na festa em comemoração do aniversário da cidade, Kalberg conseguiu reunir quase 10 mil pessoas,e ele disse a reportagem do blog que ficou muito feliz com o resultado do show.”Eu agradeço ao amigo Marcos Maia pelo convite, e ao mesmo tempo pude perceber o tamanho do prestigio que o nosso conterrâneo tem no Distrito Federal,e na cidade onde reside,Cidade Ocidental-GO e graças a ele pude sair do meu estado e levar o sorriso para o povo de outra região” disse Kalbeg Azevêdo.
Marcos Maia, irá concorrer a uma vaga de vereador pela Cidade Ocidental-GO