9th fib PhD Symposium in Civil Engineering

At the 9th fib (International Concrete Federation) PhD Symposium in Civil Engineering, organized by the Karlsruhe Institute of Technology, I presented some of the experimental results of my research. Two years ago, I already participated in the 8th edition of this conference (in Copenhagen), and I enjoyed very much this conference which is aimed at concrete research. Very typical for these PhD symposia is that every speaker has 30 minutes: 20 minutes for the presentation and 10 minutes for questions. This scheme leaves much more room for discussion and interaction than your typical structural engineering conference.

The abstract of the paper is the following:
In slabs subjected to concentrated loads, the shear strength checks are conducted for two limit states: 1) shear over an effective width, and 2) punching shear on a perimeter around the point load. In cur-rent practice, the shear strength at the supports is determined with models that do not consider the transverse redistribution of load that occurs in slabs, which results in underpredictions for the actual slab shear capacity. Currently, an experimental program is being conducted at Delft University of Technology to determine the shear capacity of slabs under point loads near to the support. This paper presents the results of the tests conducted in continuous slabs and slab strips. In addition to studying the influence of the slab width, the specimens are tested with two types of reinforcement (ribbed and plain bars). The results of the experiments are compared to strength predictions from current design models. Also, recommendations for the support effective width and an enhancement factor for considering the effect of transverse load redistribution are given.

And here are the slides I used for the presentation:


Alport Castle: But it's neither a port, or a castle.

Alport Castle is a very distinct feature situated in the Peak District not too far from LadyBower Reservoir. The source of the feature is what is thought to have been the largest landslip in the UK. The most noticeable feature is known as the Tower and myself and a couple of friends decided to head up there at the weekend for a morning walk around and a call to the pub.


We started our walk from the car park at Fairholmes situated at the extreme north end of Ladybower Reservoir. The car park and facilities here are very good. There is a W.C., a shop and a bike hire centre. So you've guessed it, it's a popular place for bikes. But from a walkers point of view, no problems at all.





The route we followed took us up through the Lockerbrook Coppice, quite steep initially, but steadily easing as height is gained.




The walk up through the Coppice starts to produce the first views of the day. Although not as nice as I had hoped, primarily down to the poor weather.





At the top of the Coppice is a path crossing which takes you roughly south and down and past the Lockerbrook Outdoor Centre. Around 400 meters passed the centre you take a right, north west up to Bellhag Tor.




As you approach Bellhag Tor, the views around you begin to open up. In good weather I can imagine they are fantastic. Unfortunately for us the weather not so good. Have I already mentioned that the weather was poor?





The path heads on across the edge of Pasture Tor with Hagg Farm, Rowley Farm and the A57 visible in the valley below.




From here the path starts to take a more north, north westerly direction until you reach Little Moor and your first views of Alport Castle.




If you descend a few feet down the path that would take you to Alport Farm, it is possible to find a nice spot out of the wind for a break. This is where your first view of the Tower will occur. We tried to get through a small gulley here to get a closer view, but the carcass of a dead sheep offered too much resistance.




After a break here, myself and my companions headed back up to the ridge line and continued heading around above Alport Castle with the views improving drastically.




As we approached Birchin Hat we took a turn right (approximately north east) down through Ditch Clough past the Grouse Butts. Having seen the weather  forecast we decided that we could time it roughly so that we would be walking around the wooded areas of Howden Reservoir as the rain took hold.




We continued down the Clough until we came to Ditch Clough Plantation, quite a steep section of path with little snippets of views.




At the bottom of the hill you take a right on the plantation service road. This road will take you onto the road that circles the reservoirs.




Taking a southerly course takes you anti-clockwise around Howden Reservoir and back down to Fairholmes. It is worth taking the odd excursion here off the path along side the road and down to the side of the reservoir where some interesting views can be found. Our decision to take this route was also justified at this point when the heavens opened.




Finaly the route passes the Upper Derwent Dam with the car park coming up shortly after.
All in all quite a nice walk for a morning out. Approximately 8 miles and around 4 hours to walk. Bigger walks are possible along with alternative routes. So more options for the future.

A call at the Ladybower Inn was a nice finish to the day.

Untimely End to Boyd and Otis' Olympic Experience

Unfortunately Otis had a swollen leg this morning and was very lame at the jog. He was sent to the hold box and Boyd withdrew him there .

At first we thought that he might have twisted his ankle on the steep hills yesterday, but Kevin Keane looked at him later today and it looks like he has some kind of infection in his leg.
That is pretty good news to us because it does not look like a serious injury and Otis will be okay after a rest.

As you can imagine, we are beyond disappointed that Otis and Boyd could not finish their first Olympics. Right now it feels very incomplete: after all the many years of working towards our ultimate goal, they did not finish. It's tough!!!! 
 
Boyd especially feels like he has let his team and all the great people that have supported us all along the way. I know that is not the case, because Boyd rode incredibly well in the dressage and the cross-country and Otis was better then we could have ever hoped for! He is a superstar to us and we owe him forever!
 
Now the most important thing is that we get Otis home safely so we can start with his recovery and his well-deserved rest in the field.

Even though it did not go the way we planed, we know tomorrow is another day. Boyd and I are flying home tomorrow and will get right back to training for Boyd's next and my first Olympics!!!

Like Ross Martin always said: " When the going gets tough, the tough get going!" We have to remember that!

Lindsey is flying home on Thursday and Otis leaves with the other horses on Thursday as well. Lindsey has gone above and beyond in looking after Otis, Nev and Remi over the last few weeks. She is amazing and Boyd could not do all he does without Lindsey doing such a great job behind the scenes.

Thank you again to all the wonderful people that support us so much and all the people that are cheering us on all the time.We appreciate every bit of it!!!

Silva

ANIVERSARIANTES DO DIA

NETO SANTANA
NEUMA
MANUEL DE TÊCA
LEVI DE DAGUIA
ORLANDO DE FELIPE
SABRINA DE CHIQUINHO
RAFAEL DE JULIETE
ANA DE ANTÔNIO AIÁ
GORETE DE ZÉ BAIXINHO

COMERCIAL VALE DO PIRANHAS

 TIJOLOS, TELHAS FERRO, TUBOS E CONEXÕES, CAL, CIMENTO E TUDO PARA CONSTRUIR OU REFORMAR, VOCÊ ENCONTRA NA COMERCIAL VALE DO PIRANHAS.
SITUADO NA CIDADE DEJARDIM DE PIRANHAS, NA AVENIDA RIO BRANCO, VIZINHO AO RESTAURANTE SANTA MADALENA E VIZINHO AO BARRACO DE GRAÇA.
ORGANIZAÇÃO: ALEX
FONE:9922 - 6586 OU 9934 - 9989


Medidas ambientais melhoram a competitividade de pequenas empresas

Experiências de empreendedores com políticas ambientais mostram que pequenas empresas podem ser sustentáveis e competitivas ao mesmo tempo

BRUNO CALIXTO
|
|

Fabiana Gondim, empreendedora que desenvolveu a técnica HairSize (Foto: Thelma Vidales/Sebrae)

Fabiana Gondim não estava preocupada com o meio ambiente quando abriu seu salão de beleza em Natal (RN). A sua maior preocupação era se manter competitiva. Ela precisava reduzir custos, mas não queria recorrer a produtos de segunda linha nem piorar o atendimento aos clientes. A solução foi buscar uma forma um pouco mais racional de usar os produtos no salão. "O que mais incomodava era o controle dos produtos. As aplicações eram sempre feitas no olhômetro, uma estimativa, mas ninguém sabia dizer qual era a quantidade necessária." Fabiana desenvolveu uma técnica inovadora, batizada de HairSize. Com ferramentas simples, como réguas e balanças, ela calcula o volume do fio de cabelo e consegue saber a quantia exata de tinturas e produtos para cada cliente. E após aplicar esse método, conseguiu economizar em até 60% os gastos com consumo de produtos. Mas a grande surpresa estava do lado de fora do salão. Fabiana percebeu que não estava mais gerando a mesma quantidade de lixo. O salão reduziu em 70% o descarte de compostos químicos usados na coloração de cabelo, 53% de amônia, um subproduto do xampu, e em 27% no consumo de água.

A experiência bem-sucedida do HairSize mostra o que muitas outras pequenas empresas estão percebendo: a adoção de práticas sustentáveis ajuda não só o meio ambiente, mas é uma forma de melhorar a competitividade da empresa e reduzir custos. "Estudos mostram que pequenas empresas conseguem melhorar financeiramente ao adotar práticas sustentáveis. O empreendedor reduz o desperdício, diminui resíduos, consome de forma mais eficiente e atinge consumidores com consciência ambiental", diz Enio Pinto, gerente de inovação e tecnologia do Sebrae.
Anderson Faheina, diretor da Cachaçaria Extrema (Foto: Moraes Neto/Divulgação)
Enio coordenou uma sondagem em que foram entrevistados quase 4 mil pequenos empreendedores. A pesquisa "O que pensam as micro e pequenas empresas sobre sustentabilidade" mostra que a maioria dos pequenos empreendedores está ciente dos problemas ambientais - só 2% dos entrevistados disseram não conhecer nada sobre meio ambiente, e 75,2% dos entrevistados disseram que as questões ambientais são muito importantes para as pequenas empresas.
A pesquisa diz que o pequeno empreendedor está mais consciente. O problema está na hora de aplicar esse conhecimento no dia a dia da empresa. Os números mostram que muitos empreendedores não sabem o que fazer na área ambiental e não pensam nessas questões como estratégia de mercado. Para mais da metade dos entrevistados, a sustentabilidade não é considerada como uma oportunidade de negócios - em outras palavras, esses empresários temem que adotar práticas ambientais possa encarecer seus produtos e resultar em perda de competitividade.
Para Enio Pinto, as pequenas empresas devem adotar políticas ambientais exatamente porque elas são uma oportunidade para melhorar o desempenho e a lucratividade da empresa. Um dos exemplos é a Cachaçaria Extrema, uma propriedade de 150 hectares no interior do Rio Grande do Norte que produz cachaça artesanal. A cachaçaria começou em 2004, e desde então já colocou em prática 12 ações sociais e ambientais. Segundo Anderson Faheina, diretor da Extrema, as políticas ambientais expandiram o acesso da cachaçaria ao mercado, atendendo a um público consumidor que hoje está optando por produtos que não causem dano ao meio ambiente. "As ações ajudam a diferenciar a minha marca. O público passa a ver a empresa como mais amigável. Os clientes visitam a produção e conhecem o nosso trabalho", diz.
O trabalho da Extrema exemplifica a tese de que políticas ambientais melhoram o desempenho da empresa. Em um dos projetos, a Extrema investiu na construção de saneamento básico para a propriedade, e estendeu o saneamento e tratamento de esgoto às casas do entorno. A ação melhora o meio ambiente, a comunidade local, e ainda mostrou retorno econômico para a empresa. Isso porque o esgoto deixa de poluir água e solo utilizados na produção, e o tratamento ainda gera resíduos que podem ser usados como adubo. "Não são gastos ou custos com meio ambiente. São investimentos, que geram retorno direto para a empresa, e ainda causam um impacto benéfico no ambiente", diz Faheina.
Por enquanto, o impacto positivo das medidas socioambientais no ambiente é pequeno. Diferentemente de uma grande empresa, que pode mobilizar grande parte de recursos financeiros e mão-de-obra para projetos ambientais, as ações das pequenas empresas têm efeito local. Mas o cálculo muda quando se leva em conta o total de pequenas empresas. Há hoje no Brasil cerca de 6 milhões de empresas formais, e cerca de 99,1% são pequenos empreendedores. Se todas as pequenas empresas partirem para a sustentabilidade, o benefício pode ser maior do que o esperado. "Sem a participação da pequena empresa, não há jogo. Mas ela tem que entrar como um todo. É preciso educar, massificar os bons exemplos, dar visibilidade, para que o pequeno empreendedor seja protagonista no debate da sustentabilidade", diz Enio.
Tanto Faheina quanto Fabiana Gondim estão satisfeitos com os resultados dos projetos ambientais em suas empresas, e recomendam que todos os pequenos empreendedores promovam ações ambientais. Mas a grande maioria dos pequenos empreendimentos não tem estratégias de negócios que envolvam as questões sociais e ambientais. A melhor abordagem é que cada empresário atue de acordo com a realidade em que sua empresa está inserida. Ainda assim, algumas medidas simples costumam trazer resultados positivos para a maioria das empresas, como o tripé formado por eficiência energética, reaproveitamento da água e gestão dos resíduos sólidos.

Indústria de Cubatão planta árvores para homenagear os funcionários

Projeto foi proposto por um funcionário que levou a ideia para a direção.
Mais de 1000 árvores já foram plantadas pelo nascimento de crianças.

Mariane Rossi Do G1 Santos

Funcionário posa ao lado de muda que representa o nascimento de seu filho (Foto: Mariane Rossi/G1)Funcionário posa ao lado de muda que representa o nascimento de seu filho (Foto: Mariane Rossi/G1)
Em meio a fumaça, grandes turbinas, tanques e extensas áreas destinadas a produção de aço, um dos funcionários de uma usina em Cubatão, no litoral de São Paulo, mobilizou a empresa com mais de 4 mil empregados para, pelo menos uma vez ao ano, se dedicar a plantação de mudas dentro da usina. Para cada nascimento de um filho de um funcionário, uma árvore é plantada. Em cinco anos de projeto, já foram mais de mil mudas plantadas entre os prédios que abrigam a intensa produção industrial da Usiminas.
A ideia surgiu com Paulo Cezar Simoni, um dos funcionários ligados a área de laminação. Em sua infância, ele conta que adorava subir em árvores e brincar na rua. Depois de uma reflexão sobre a quantidade de árvores em Cubatão, ele passou a criar um costume na porta de casa. “"Quando acontece algo especial eu planto uma árvore. Minha mãe mora em uma esquina muito grande. Então, quando eu comprei uma casa, eu plantei uma árvore. Quando eu casei, eu plantei. No nascimento da minha filha, eu também plantei uma árvore”", explica.
Mais de 1000 mudas já foram plantadas em área da usina de Cubatão, SP (Foto: Mariane Rossi/G1)Mais de 1000 mudas já foram plantadas em área
da usina de Cubatão, SP (Foto: Mariane Rossi/G1)
Simoni acompanhou o desenvolvimento de cada planta, assim como o de sua filha que, atualmente, tem quase 17 anos. Depois de alguns anos, ele percebeu que a iniciativa poderia ser multiplicada e levou o seu projeto particular para uma das maiores empresas do Pólo Industrial de Cubatão. "Eu fiquei surpreso da forma que a empresa assimilou a ideia. Superou a minha expectativa. Se fosse em outro lugar eles poderiam lançar a ideia e depois cair no esquecimento. Mas já estamos em 1030 árvores plantadas. Então, para mim, é uma alegria muito grande", comemora.” Simoni acreditava que se as espécies fossem nativas da região da Mata Atlântica, predominante no litoral de São Paulo, contribuiria para o conhecimento dos funcionários e também para a fauna do lugar.
O projeto tomou forma e passou a se chamar ‘Plante uma Vida’. Em cada edição, é escolhido um local onde há o espaço ideal para a plantação das mudas daquele ano. Os pais que tiveram seus filhos nascidos depois desse dia entram na turma do ano seguinte. Cada planta recebe um número que corresponde ao nome da criança, colocado em um grande banner do lado do espaço. No dia da plantação, os funcionários ganham a pá que foi usada para o plantio e uma placa com o nome da criança.
Além das mudas, cada nome ganha um registro em uma placa (Foto: Mariane Rossi/G1)Além das mudas, cada nome ganha um registro
em uma placa (Foto: Mariane Rossi/G1)
Neste ano, a edição aconteceu no dia 6 de julho. Sidney Nascimento Lourenço conta que há dois anos prepara o local para o projeto, mas somente este ano teve a oportunidade de plantar sua muda pela primeira vez, após o nascimento de seu filho. "“A usina interage tanto com os funcionários quanto com o meio ambiente. Quando eu passo por aqui eu tenho dois prazeres, um pelo local e outro por saber como está a planta do meu filho. Eu tenho um carinho a mais por esse espaço”", diz ele. Já Helenildo de Brito, do setor de manutenção mecânica, também participou da ação, e conta que acompanha diariamente a árvore em homenagem a sua filha. "“Que ela venha produzir muitos frutos como as plantas aqui”", comenta.
Para dar andamento ao projeto, uma equipe fica responsável pela manutenção dos espaços e das árvores, já que várias delas dão frutos. Rafael Costa Nascimento, responsável pela área de meio ambiente, diz que prioriza áreas próximas aos berços de rios e que há critério na escolha das plantas. “"A gente sempre pega as plantas resistentes a alagamentos, acostumadas com a restinga ou com a mata atlântica, características da região",” explica.
Atualmente, a Usina conta com mais de um 1,5 milhão de metros quadrados de áreas verdes, uma média de mais de 96 metros quadrados de área verde por empregado. Para Simoni, que iniciou o projeto, a ação deu certo porque já existe consciência ambiental, o problema é que as pessoas não conseguem se dedicar a isso. “"Algumas vezes as pessoas não tem tempo para as coisas importantes da vida. O projeto faz com que você pare, plante, então, você acaba diretamente ou indiretamente passando isso pra uma pessoa mais adiante. Eu acredito que daqui a poucos anos vai haver a possibilidade de os filhos que nasceram, que foram os primeiros plantios, verem como tudo foi feito", finaliza.
Ideia surgiu com Paulo Cezar Simoni, funcionário da siderúrgica (Foto: Mariane Rossi/G1)Ideia surgiu com Paulo Cezar Simoni, funcionário da siderúrgica (Foto: Mariane Rossi/G1)

PANIFICADORA UNIÃO, NOS QUATROS CANTOS DE JARDIM DE PIRANHAS.

 MATRIZ NO ANTIGO RESTAURANTE DE MARIA IZABEL
FILIAIS: NA RUA 15 DE NOVEMBRO NO BAIRRO DO EMBOCA E NA AVENIDA RIO BRANCO NA ANTIGA BERG CEL CELULARES.
ORG: IZAIAS NOGUEIRA.

Auxiliares de limpeza revelam desafios do trabalho em Manaus

José Raimundo Júnior afirma já ter encontrado um feto em meio ao lixo.
Auxiliares de limpeza revelam preconceito da população com a profissão.

Tiago Melo Do G1 AM
Semulsp afirma que sujeira pós-final de semana é comum na praia (Foto: Altemar Alcantara / Semcom)
Auxiliares de limpeza criticaram a falta de cuidado da população de Manaus com o lixo (Foto: Altemar Alcantara / Semcom)
Contratados para realizarem a limpeza e a conservação de edifícios, vias, praças e outros locais públicos, os auxiliares de limpeza enfrentam diariamente os desafios de fazer um trabalho pouco valorizado por uma parte da população e que os expõe a riscos diários.
José Raimundo Júnior, de 39 anos, há oito anos trabalha como auxiliar de limpeza. “Uma das coisas mais absurdas que já recolhi em um saco de lixo foi um feto humano. Foi horrível, cheguei a passar dias com a imagem na cabeça”.

Trabalhando há onze anos no serviço de coleta de lixo em Manaus, o maranhense José Francisco da Silva, de 52 anos, consegue sustentar a família com o trabalho de auxiliar de limpeza. Porém, segundo ele, a profissão já o colocou em risco de vida. “Certa vez, durante uma noite em que estava coletando lixo, encontrei uma granada. Quando percebi o que era, eu tratei de chamar logo a polícia. Para minha sorte, a granada não funcionava mais”, contou o servidor.
Imagens de igarapés poluídos impressiona. Grande quantidade de lixo é preocupante (Foto: Carlos Eduardo Matos/G1 AM)Auxiliares de limpeza sofrem preconceito por parte da população em Manaus (Foto: Carlos Eduardo Matos/G1 AM)
Francisco, que também já trabalhou na limpeza de igarapés brincou ao dizer que só faltou encontrar uma casa com a família dentro de um igarapé manauara. “Já encontrei de tudo: colchão, sofá, geladeira, mesa, poltrona, cadeira. Só não tinha a casa, porque estavam todos lá”, brincou Francisco.

Acostumados a lidar diariamente com lixo produzido pelos moradores de Manaus, Francisco e Júnior contam que falta consciência ambiental à população . “Nesses oito anos de serviço, percebi uma leve mudança no hábito do manauara, mas nada que melhore a situação no geral. Por exemplo, em certos casos, se passarmos uma hora depois na mesma rua que fizemos a limpeza, ela já estará suja novamente”, contou Júnior. Francisco, mais pessimista, não vê progresso. “O exemplo foi visto durante a última cheia: milhares de garrafas e lixo  represados nas pontes”.

Quando questionados se o desenvolvimento social das pessoas influencia na forma como elas despejam lixo, os servidores concordaram pelo não. “Não tem muita diferença, quase nenhuma na verdade. É comum ver lixo sendo atirado pela janela de dentro de carros de luxo. A diferença está no acondicionamento. Pois o 'pessoal da grana' se preocupa em colocar o lixo em saco fechado”, contou Júnior. “Não acho que seja questão de desenvolvimento social ou econômico, é uma questão de educação. Tem pessoas humildes que tem mais preocupação com meio ambiente e limpeza do que pessoas ricas e letradas”, completou Francisco.

A educação se reflete também no tratamento dado pelas pessoas aos auxiliares, segundo os auxiliares de limpeza. “Muitos nos tratam por nomes chulos como lixeiros, garis, urubus e outros nomes. É uma total falta de respeito com a gente”, conclui Francisco.
Cerca de 55 toneladas de lixo são retiradas de igarapés todos os dias (Foto: Carlos Eduardo Matos/G1 AM)Acúmulo de lixo foi sentido com a cheia dos rios neste ano (Foto: Carlos Eduardo Matos/G1 AM)

Alto nível de cafeína é identificado em mar da costa dos EUA, diz pesquisa

Estudo encontrou concentração de substância no litoral do estado do Oregon.
Cafeína é normalmente achada em trechos de água doce, dizem cientistas.

Do Globo Natureza, em São Paulo

Café e outras substâncias poluem mar que banha o estado do Oregon, diz pesquisa (Foto: Governo do Oregon/Divulgação)Mar que banha o Oregon tem cafeína, diz pesquisa
(Foto: Oregon.gov/Divulgação)
Cientistas encontraram grande concentração de cafeína nas águas do Oceano Pacífico que banham o litoral do estado do Oregon, na região noroeste dos Estados Unidos.
A pesquisa, realizada pela Universidade de Portland, nos EUA, foi divulgada em julho no Boletim Marinho de Poluição, uma publicação internacional sobre o uso racional dos recursos marítimos.
O estudo avaliou tanto a presença da substância em áreas potencialmente poluídas, como os trechos de mar e rio próximos a redes de tratamento de esgoto, quanto em águas mais distantes do litoral.
Os níveis de cafeína em áreas potencialmente poluídas ficaram abaixo do limite detectável, de 9 nanogramas por litro. Já as águas do litoral do estado do Oregon tiveram 45 nanogramas por litro de cafeína, índice bem mais alto.

A hipótese mais provável é que nas áreas de tratamento de esgoto há monitoramento nos níveis de poluição, o que não ocorre nas águas do litoral, de acordo com os pesquisadores. Eles dizem, ainda, que a presença de cafeína já foi documentada antes em rios e fontes de água doce, mas há poucos indícios de sua presença no mar.
Pesquisadores dizem que a cafeína é apenas a ponta do iceberg de uma série de substâncias que podem estar contaminando trechos do litoral dos EUA ao serem eliminados na rede de esgoto, como remédios, detergentes, perfumes e outros.
Os efeitos desta "sopa de contaminação", afirmam os cientistas, ainda é desconhecido sobre os organismos aquáticos.

Awesome Olympic Cross-Country Ride for Boyd and Otis!

http://it.eurosport.yahoo.com/foto/olimpiadi-londra-2012-slideshow/boyd-martin-u-competes-eventing-cross-country-equestrian-photo-151616136.html
http://it.eurosport.yahoo.com/foto/olimpiadi-londra-2012-slideshow/boyd-martin-u-competes-eventing-cross-country-equestrian-photo-151616136.html
Otis and Boyd did awesome!!! Even though I knew Otis and Boyd would have an awesome trip cross-country, I was very very nervous about today. After all, it is the Olympics! Even though I have a lot of confidence in Boyd and Otis on cross-country, to be out first is never easy. Boyd has been walking the couse probably about ten times, but riding it is another story.
Boyd took the direct route at every jump and kept the speed up right from the start. Looking back at it now it would have probably been better if Boyd would have gone a little slower at the beginning, in order to have more horse left at the end. But there was no way of knowing if it would be possible to catch up on the time later without watching anybody go around the course first.
The course was very, very hilly with lots of ups and downs. Otis jumped super well and confident and really looked like an Olympic horse out there. Unfortunately he got pretty tired towards the end and they added 3.6 time faults to their score. (Click here for results, or copy and paste http://www.london2012.com/equestrian/eventing/)
Again, we are so proud of little Otis. He is still a young horse and he tried his heart out for Boyd today!
Phillip and Whisper and Karen and Cave, (Mr.Medicott) looked amazing and only added a few time faults to their scores. Will and Twizzel had an unfortunate stop at the Leaf Pit, but the rest of their round looked really good. Tiana and Finn unfortunately had a stop at the third fence but amazingly they finished with only 5 time faults on top of the 20.
Tomorrow should be a good day . Otis ia a great showjumper and I think he will be amazing! Fingers crossed one more time please!!!!!!
Silva

PANIFICADORA UNIÃO, NOS QUATROS CANTOS DE JARDIM DE PIRANHAS.

 MATRIZ NO ANTIGO RESTAURANTE DE MARIA IZABEL
FILIAIS: NA RUA 15 DE NOVEMBRO NO BAIRRO DO EMBOCA E NA AVENIDA RIO BRANCO NA ANTIGA BERG CEL CELULARES.
ORG: IZAIAS NOGUEIRA.

ANIVERSARIANTES DO DIA

ULISSES DA SANFONA
MARTANA
RITA
YANE
JOSÉ NETO
SANTANA
NENEN
RAIANE
DAMIÃO DE MIRO

No calor da indústria do gesso, a ruína da caatinga no Nordeste Leia mais sobre esse assunto em http://oglobo.globo.com/pais/no-calor-da-industria-do-gesso-ruina-da-caatinga-no-nordeste-5549705#ixzz226carFhr © 1996 - 2012. Todos direitos reservados a Infoglobo Comunicação e Participações S.A. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.

Em toda a região, 30% das empresas usam lenha como fonte de energia; adesão a planos de manejo ainda é baixa

Em São José Belmonte (PE), Ibama destruiu fornos ilegais na caatinga Foto: O Globo
Em São José Belmonte (PE), Ibama destruiu fornos ilegais na caatinga O Globo
SÃO PAULO - No Araripe, na divisa de Pernambuco com Piauí, está o maior polo gesseiro do país. Com o incentivo à construção civil, as fábricas estão a pleno vapor e respondem por 95% da produção nacional. A notícia é boa. Mas o sertão nordestino, que a maioria só ouve falar em tempo de seca, segue palco de contradições. Os fornos das fábricas são, em maioria, movidos a lenha. É assim também em boa parte do polo têxtil de Toritama, em Pernambuco, onde as caldeiras que tingem tecidos fervem sob estalos de madeira, ou no Seridó, entre Rio Grande do Norte e Pernambuco, onde olarias produzem tijolos e telhas para toda a região. No Nordeste, hoje, 30% das empresas usam a lenha como fonte de energia.
Por ano, são queimados 25 milhões de metros cúbicos de lenha no Nordeste, o que equivale a desmatar 2.500 km2, mais que o dobro da cidade do Rio de Janeiro. Pouca gente se incomoda com isso. Primeiro porque não se tem outra fonte de energia barata. O problema, como diz o sertanejo, é que não se planta um pau. O que queima nos fornos é lenha nativa e, pela lei, 20% da mata de caatinga deveriam ser preservados em cada propriedade. No restante o desmate é permitido, com autorização. Mas ninguém leva em conta. Segundo o Serviço Florestal Brasileiro, 94% da lenha é ilegal, cortada e queimada sem qualquer tipo de controle.
Numa região onde o sol esturrica o solo, o risco é a desertificação. O Nordeste possui hoje quatro núcleos de desertificação, onde a terra, explorada sem qualquer preocupação em preservar alguma coisa, ficou quase estéril. São 18.432 km2 na região do Seridó (RN e PB), Irauçuba (CE), Gilbués (PI) e Cabrobó (PE). Pelo menos outros 98 mil km2 são considerados em situação muito grave pelo Programa de Combate à Desertificação e Mitigação dos Efeitos na América do Sul, o que equivale a 10% do semiárido.
Este ano, o Ibama já realizou várias operações para conter o desmatamento ilegal na caatinga. Na Paraíba, onde Cariri e Curimataú são as áreas mais degradadas, foram embargados 195,5 hectares em 23 propriedades. No Oeste da Bahia, foram apreendidos mourões, estacas e carvão vegetal ilegais. No sertão do Araripe, em Pernambuco, o embargo atingiu 547 hectares durante a Operação Borborema, em desmate ilegal nos municípios de Ouricuri, Granito e Arcoverde, onde a lenha abastece fornos de produção de gesso.
Falar em semiárido e caatinga é quase sobrepor mapas. A caatinga ocupa 850 mil km2 em nove estados — 11% do território brasileiro. Apenas 5%, ou 85 mil km2, são Áreas de Proteção Permanente, segundo dados do Serviço Florestal Brasileiro, ligado ao Ministério do Meio Ambiente.
Apesar de o bioma caatinga ser pouco estudado, sabe-se que reúne cerca de 930 espécies de plantas, 148 de mamíferos e 510 de aves. A região abriga 30 milhões de pessoas, recebendo o título de semiárido mais habitado do planeta.
Assim como os animais, as plantas são fortes. Se cortada a 30 centímetros do chão, mesmo com pouca chuva, a mata começa a rebrotar em nove meses. Mas, mesmo assim, para que a caatinga não vire deserto, seria necessário que o corte, numa mesma área, fosse feito a cada 15 anos. O drama do Serviço Florestal Brasileiro, responsável por disseminar o manejo na região, é que, além do desmate, as criações de gado, ovino e caprino também estão dizimando a flora. Os brotos, quando despontam, são comidos pelos animais.
— Todas as fazendas no sertão tem uma carga animal maior do que poderia ter — diz Frans Pareyn, da ONG Associação Plantas do Nordeste.
Para se ter uma ideia, para que a caatinga não fosse degradada, cada hectare de terra com mata nativa poderia comportar de 10 a 12 cabeças de gado. Se a caatinga já estiver raleada ou rebaixada (quando corta a árvore e mantém o toco, para que rebrote), esse número cai para algo entre dois e quatro.
Com a mudança climática mundial, a seca na caatinga só tende a piorar. Este ano, praticamente não choveu. Se há água de cisternas para beber, falta para os animais e para irrigação, o que perpetua a pobreza. Sem cultivo e sem animal, o sertanejo vende o que sobra. E, na maioria dos casos, o que sobra é a lenha. O preço, que na indústria chega a R$ 30 o metro cúbico, na propriedade não passa de R$ 10. O ganho fica no transporte.
A meta do governo é implantar o manejo florestal em uma área equivalente a 7% do bioma.
— A lenha da caatinga sobrevive à seca e, mesmo com atravessador, rende um bom dinheiro. É por isso que precisa ter o manejo — alerta Newton Barcellos, chefe da Unidade Regional Nordeste do Serviço Florestal Brasileiro.
Desde 2006, o Ministério do Meio Ambiente financia programas de manejo, mas a adesão ainda é baixa. Este ano, os recursos são maiores e somam R$ 8 milhões. O Fundo Nacional de Desenvolvimento Florestal (FNDF) e o Fundo Nacional sobre Mudança do Clima (FNMC) trabalham para implantar o manejo na região do Seridó, Médio Sertão e Cariri Ocidental, na Paraíba, e do Sertão do Apodi, no Rio Grande do Norte. Além de ensinar a técnica aos agricultores, é preciso incentivar e financiar indústrias na modernização de fornos

Leia mais sobre esse assunto em http://oglobo.globo.com/pais/no-calor-da-industria-do-gesso-ruina-da-caatinga-no-nordeste-5549705#ixzz226cPwZZQ
© 1996 - 2012. Todos direitos reservados a Infoglobo Comunicação e Participações S.A. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.

Macaco tem duas patas amputadas por causa de choque elétrico em RO

Fêmea de bugio não poderá mais voltar à natureza.
Eletrobrás afirma que acidentes com animais não são comuns.

Larissa Matarésio Do G1 RO
A fême de bugio teve partes de duas patas amputadas por causa de machucados causados por choque elétrico (Foto: Larissa Matarésio/G1)
A fêmea de bugio teve partes de duas patas amputadas por causa de machucados causados por choque elétrico (Foto: Larissa Matarésio/G1)
A fêmea de bugio encontrada em Campo Novo dos Parecis, RO, pelo Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) e entregue ao Instituto Brasileiro do Meio Ambiente (Ibama) há um mês, teve parte da patas amputadas por conta de machucados causados por choque elétrico. Possível causa é acidente com rede elétrica.
Os veterinários do Centro de Triagem de Animas Silvestres (Cetas), em Porto Velho, que cuida de animais feridos e debilitados acreditam que a possível causa dos machucados foi uma forte descarga de eletricidade, causada por acidente em rede elétrica.
O animal chegou muito machucado, com o lado direito do corpo em estado de necrose, e exposição óssea nas patas anterior e posterior deste lado. Os ferimentos eram tão graves que parte das patas precisaram ser amputados para que ocorresse a cicatrização.
Animal de recupera bem e espera por um lar definitivo (Foto: Larissa Matarésio/G1)Animal de recupera bem e espera por um lar definitivo
(Foto: Larissa Matarésio/G1)
Depois de tratamento intensivo e de muitos cuidados,a jovem fêmea se alimenta normalmente e está aprendendo a conviver com sua nova deficiência.
“Essa fêmea não vai mais poder ser reintroduzida na natureza, ela sempre vai requerer cuidados especiais. Já estamos procurando um novo lar para ela, onde ela possa conviver com outros de sua espécie”, diz o médico veterinário do Cetas, Gilson Rios.
Segundo a Eletrobrás Distribuição Rondônia acidentes com animais em rede elétrica não são comuns no estado, e por isso não há um controle estatístico com relação a isso.
O que às vezes acontece são problemas em áreas rurais com indução de descarga elétrica ou postes e fios da rede de transmissão que acabam eletrificando o solo e matando alguns animais, como o gado, que fica perto de cercas.
No Cetas já foi registrado a passagem de outros dois animais com o mesmo problema do bugio, que chegaram ao centro com machucados possivelmente causados por choque elétrico.

COMERCIAL VALE DO PIRANHAS

 TIJOLOS, TELHAS FERRO, TUBOS E CONEXÕES, CAL, CIMENTO E TUDO PARA CONSTRUIR OU REFORMAR, VOCÊ ENCONTRA NA COMERCIAL VALE DO PIRANHAS.
SITUADO NA CIDADE DEJARDIM DE PIRANHAS, NA AVENIDA RIO BRANCO, VIZINHO AO RESTAURANTE SANTA MADALENA E VIZINHO AO BARRACO DE GRAÇA.
ORGANIZAÇÃO: ALEX
FONE:9922 - 6586 OU 9934 - 9989


Cientistas descobrem 'cupins-bomba camicases' na Guiana Francesa

Membros mais velhos da colônia carregam substâncias tóxicas em 'mochilas' que são lançadas sobre inimigos após 'explosão'.

Da BBC


Especialistas belgas encontraram uma nova espécie de cupim na Guiana Francesa com uma característica curiosa e que, até hoje, nunca havia sido documentada.
À medida que envelhecem e se tornam menos capazes de cumprir as tarefas do dia a dia, os insetos desse grupo começam a armazenar cristais sólidos que produzem uma reação química quando misturados com outras secreções do animal.
Como resultado, seu poder defensivo aumenta, o que lhes confere grande utilidade para a colônia.
Já se sabia antes que alguns tipos de cupins, para defender sua comunidade, podem literalmente "se explodir", liberando uma enxurrada de produtos químicos sobre seus inimigos.
Assim, quando confrontados com uma ameaça à integridade da colônia, estes cupins cometiam suicídio para defender seu grupo.
No caso dos cupins da Guiana Francesa, explicam os especialistas, a diferença é que cabe aos insetos mais velhos a responsabilidade do "suicídio coletivo" frente a uma ameaça. Ou seja, tornam-se camicases, ou "cupins-bomba", da colônia.
Cupim (Foto: Robert Hanus/ Université Libre de Bruxelles/BBC)Exemplares de cupins-bomba que foram encontrados durante exploração realizada na Guiana Francesa (Foto: Robert Hanus/ Université Libre de Bruxelles/BBC)
Corrosão letal
"Um estudante de graduação em meu laboratório, Thomas Bourguignon, estava pesquisando a ecologia comunitária dos cupins e coletando amostras, quando, de repente, se deparou com algo realmente especial", disse à BBC o professor Yves Roisin, da Universidade Livre de Bruxelas.
Roisin explica que ao romper partes de seu corpo, os cupins da espécie Neocapritermes taracua liberam substâncias tóxicas que são jogadas sobre os invasores, correndo seus corpos.
"As secreções tóxicos para a defesa são normalmente armazenados nas glândulas salivares, mas esta espécie transporta uma 'mochila' com dois tipos de cristais sólidos do lado de fora do corpo. Quando o cupim 'explode', os dois são misturados para produzir uma substância tóxica mais potente", afirmou Roisin.
Ainda não se sabe como esses cupins conseguem sintetizar os cristais. Também é desconhecido se outras espécies deste gênero desenvolveram um mecanismo semelhante. "Há cerca de cinco ou seis espécies deste gênero, mas até agora encontramos a presença de cristais do lado de fora do corpo apenas da Neocapritermes taracua", disse Roisin. O estudo foi publicado na revista americana "Science".

Concurso escolhe as cinco mais belas imagens da Terra vista do espaço

Serviço Geológico dos EUA pré-selecionou fotos de satélite da Nasa para série 'Terra como arte'.

Da BBC

O Serviço Geológico dos Estados Unidos selecionou as melhores imagens feitas pela Nasa da Terra vista do espaço e, com algumas manipulações de cor, lançou a série 'Terra como arte'.
No estilo de uma pintura impressionista do Van Gogh, redemoinhos de uma enorme quantidade de fitoplâncton contrastam com as águas escuras do mar Báltico (Foto: NASA's Goddard Space Flight Center/USGS)Em 1º lugar, uma imagem no estilo de uma pintura impressionista do Van Gogh, redemoinhos de uma enorme quantidade de fitoplâncton contrastam com as águas escuras do mar Báltico (NASA's Goddard Space Flight Center/USGS)
Desde 1972, as imagens de satélite se transformaram uma referência para ajudar a ciência em pesquisas sobre o uso da terra e dos recursos naturais.
No entanto, esta galeria mostra que além da contribuição para a ciência, imagens de satélite revelam uma grande beleza, com paisagens sensacionais de vales, montanhas, ilhas e florestas.
Terra como arte (Foto: NASA's Goddard Space Flight Center/USGS)Na imagem acima, que ficou em 5º lugar, é possível ver um rosto, desenhado pelas áreas inundadas do lago Eyre, na Austrália.  (NASA's Goddard Space Flight Center/USGS)
Foi pedido ao público que escolhessem as imagens favoritas entre mais de 120 fotos da coleção. Foram recebidos 14 mil votos e os vencedores estão acima.
Terra como arte (Foto: NASA's Goddard Space Flight Center/USGS)Na imagem que ficou em segundo lugar é possível ver lagos que se espalham pelo delta do rio Yukon, no sudoeste do Alasca. (NASA's Goddard Space Flight Center/USGS)

Is Lombardo the right man for the EDS?

For those that like to follow the reserve and academy set up at City, you'll probably be aware that Andy Welsh is no longer in charge of the EDS set up. The news was greeted with approval, even from a player who has recently left the club, such was the standard of coaching during Welsh's tenure at the club.

Although the confirmation of a permanent post hasn't come from the club, Attilio Lombardo has taken over the reins in the EDS. This hasn't been met with jubilant approval but more of a cautious anticipation at best from the majority of City fans I've spoken with about it.

But what could the appointment of Lombardo to head of the EDS mean for City?

Well, I think it's widely agreed that the standard level of coaching will have improved, but judging from the things I've heard in the last few weeks I don't think it could have got much lower. Lombardo does have experience in coaching young players too, as he spent 4 years at the end of his playing career as a youth coach at Sampdoria.

His official coaching credentials have been questioned, and I'll admit, I have no idea what, if any, coaching badges he has. But as we know, qualifications aren't everything and they don't always make you better at the job. If you're a bad coach, you're a bad coach regardless of how many coaching badges you've taken.

What does concern some is that he doesn't have tried and tested pedigree of strong player development like some ex-coaches at City have had, namely Jim Cassell and Steve Eyre.

The connection Attilio has to Sampdoria also has other positive implications. Lombardo played alongside Mancini for 6 years at La Samp and once again for a brief period at Lazio. He again joined up with Mancini in 2010, this time as part of the coaching staff at City.

What I'm saying is that the two men are close friends and know each other very well. Mancini is known to be a relatively closed book when it comes to players and staff alike if they're not perceived to be pulling in Mancini's very specific direction.

What I think we will see is a greater flow of information and collaboration between the EDS and first team, one which wasn't there before. Although Andy Welsh could often be seen on match days but at no point did it look like their was any sort of relationship between him and Mancini. With Lombardo however, we know there is a personal friendship and trust there.

Although Mancini has given a number of players a chance, the vast majority only got the one chance as City pushed towards Champions League qualification and Premier League success. Would that have been different had Mancini had a trusted adviser in the EDS camp? It's a question that will remain unanswered.

Mancini's position within the club is also strengthened by Lombardo's presence in the EDS, and could be a sign of him exerting his greater influence within the club since winning the Premier League and penning a new 5 year contract. Bobby has a clear vision for the club and is clearly comfortable with Lombardo's credentials, so who am I to argue?

2-3 years ago, several players in this crop of players now in the EDS had the potential to push on to play in the first team. One of the major criticisms levelled at Welsh was that the vast majority of these players did not progress at the level expected of them and several have stagnated completely. While I admit it would be increasingly difficult for young players to break through, an indication of where a player is can sometimes be their national sides, and some have been overlooked completely for a couple of years at the 18-21 levels while Welsh has been at the helm.

What Attilio has to do now is drive these players back towards their potential, they need to be pushed and tested so they can make the next steps in their career at City. Undoubtedly for some it may now be (and probably is) too late while others may be caught just in time. But is Lombardo the man for the job? That's a question that will be answered soon enough.


Twitter: @MikeWalshMCFC
Facebook: David Silva's Left Foot