Centro da Antártica sofreria menos com temperatura maior, diz estudo

Aquecimento causaria aumento na quantidade de nevascas na região.
Com isso, temperatura no centro do continente seria 0,5ºC menor.

Da France Presse
O impacto da elevação da temperatura global na Antártica poderá ser menor do que o previsto por cientistas, graças ao aumento de nevascas na região central  do continente, afirma estudo divulgado pelo Centro Nacional de Pesquisas Científicas (CNRS), da França.
De acordo com a investigação, uma parceria entre o laboratório de geofísica do meio ambiente de Grenoble com a Universidade de Laval, no Canadá, as previsões de aquecimento teriam que ser revisadas com "baixa de 0,5ºC para o centro do continente austral".
O aumento da temperatura na Antártica implicaria em um maior número de precipitações e, portanto, uma neve mais "branca" que reduzirá o efeito da mudança climática no centro do continente. Se houver elevação da temperatura em 3ºC, as nevascas intensas aumentariam o albedo, radiação que reflete qualquer superfície.
De acordo com os cientistas, um albedo alto esfriaria o planeta porque a luz ou radiação absorvida e aproveitada é mínima -- ainda segundo o estudo, o albedo mais elevado é o da neve recente.
Os estudos, publicados na revista "Nature", permitem avaliar melhor o papel da neve nos modelos utilizados para prever a evolução do clima mundial, completa a nota do CNRS.
Iceberg Antártida 1 (Foto: Alister Doyle / Reuters) De acordo com estudo francês, temperaturas mais altas no centro da Antártica diminuiriam efeito da mudança climática no continente gelado. (Foto: Alister Doyle/Reuters)