Cientistas encontram 11 cobras de espécie declarada extinta em 1936

Para organização, variedade é a 'mais rara do mundo'.
Exemplares vivem em ilhota de Santa Lúcia, no Caribe.

Do Globo Natureza, em São Paulo

Apenas 11 exemplares desta cobra foram encontrados pelos pesquisadores.  (Foto: AP)Apenas 11 exemplares da cobra foram encontrados em Santa Lúcia.  (Foto: AP)
Após um levantamento de cinco meses, pesquisadores anunciaram nesta terça-feira (10) ter encontrado 11 exemplares do que consideram ser a “cobra mais rara do mundo”, da espécie Liophis ornatos, na pequena ilha de Maria Major, que faz parte de Santa Lúcia, um país caribenho.
Essa cobra já foi abundante naquele país, mas mangustos trazidos da Ásia foram dizimando sua população. De acordo com o Durrel Wildlife Conservation Trust, uma das organizações que realizou o levantamento, já em 1936 a espécie foi considerada extinta. Contudo, em 1973, um exemplar foi encontrado na ilhota de Maria Major, que ficou livre dos mangustos.
No final de 2011, um time internacional foi até o local e, durante 5 meses, procurou e marcou 11 cobras com chipes de rastreamento. A análise dos dados desses animais levou à conclusão de que existem 18 indivíduos da espécie vivendo ali. Uma estimativa menos conservadora, feita por outro método científico, indica que podem chegar a até cem.