Happy New Year

Happy New Year!

Wakefield SOLD


Silva Schooling Wakefield

I would like to congratulate Laila Bolsteins on her recent purchase of Wakefield, an impressive six-year-old English Thoroughbred gelding.


Wakefield has been with us for about a year, since Katie and Cuyler Walker imported him from England and placed him in training with Boyd. Wakefield has had a successful training level career with Boyd and Caitlin, most recently placing third at Flora Lea, with previous accomplishments including wins at Pine Top, (GA) and Sporting Days, (SC) in 2012. He is an impressive young horse with a wonderful temperament, beautiful movement on the flat, and a scopey jump. He has not had a single cross-country penalty to date and has all the ingredients for the making of a super event horse.


Wakefield has a strong future ahead of him and we are very excited that he will be able to continue his eventing career with Laila!

-Lindsey

Boyd on Evention: How to School a Horse that Drifts Over Fences



Direct link: http://www.youtube.com/watch?v=ldBJm0M5MR4

Working Student Position at Windurra USA


Think You've Got What it Takes?
Windurra Eventing is on the search for a very specific person who wants to be part of the future of the sport in this country. Make no mistake, this position is not suitable for 99% of people out there. As history shows, the majority of established eventing legends are a product of a program. I am a firm believer that the only way a talented rider turns into a champion is through thousands of hours of grueling work, surrounded by brilliant trainers, horsemanship, riders, sponsors and owners. To get a complete understanding on how to be successful in all aspects of running a business and being a great trainer, you have to immerse yourself in a system that is the equivalent of a university degree. This apprenticeship is more than just riding lessons, it is years of experiencing all aspects of what it take to be America's next top eventing rider.

I am offering a working student position to a desperately hungry young rider who is committed to a long term working agreement. To start out, we ask you to pay for your horse's hard expenses. As time goes on, this role often turns in to a paying position with us. I believe this is a great opportunity for someone out there to get an understanding of what is involved in all aspects of eventing. This role is more ideal for someone who is an accomplished rider who wants to learn the intricacies of the top levels. Please understand that this job involves a lot of ground work, assisting with the management of the farm and horses.

One of Silva's and my proudest accomplishments has been transforming the promising kid from down the road into a successful 3* rider who is on her way to Rolex in 2013. Over this time, Caitlin Silliman has had plenty of ups and downs, screaming and shouting, working in the sleeting rain, going weeks on end without a day off, but the hard work, dedication, and willingness to learn has made her into one of America's leading younger riders.

If this sounds like something for you, please email Operations Manager Lindsey Taylor. If you are a person who posts comments on The Chronicle of the Horse's chat room, this job is probably not for you...

Lindsey Taylor
Lindseyktaylor@yahoo.com
630-338-3331

Quote from current working student, Beau Guimond: "The working student position is either sink or swim. No floating allowed."

Merry Christmas!

Merry Christmas

And

Season's Greetings

Marc

Happy Holidays!


Happy Holidays, dear readers!

I hope you all can take some rest, let go of your research, and recharge your batteries. My plans include staying 4 days in the Ardennes in the beautiful South of Belgium.

The regular posts will resume after New Year.

I have tons of plans for PhD Talk in 2013, including a few new series, and 2013 will hopefully be my last year in graduate school, after which I plan to write some general reflecting posts on the whole PhD process, as well as share more of my research in plain English!



Otis Update and Boyd's Thoughts on Training Lists


The USEF announced their brand new winter training lists yesterday, which has caused a great amount of excitement, mainly due to the fact that there is not much else going on in the eventing world in mid-December. I'm thrilled and honored to say that the selectors have recognized four of my horses to be worthy of these lists. I have three up and coming young advanced horses in Trading Aces, Crackerjack and Master Frisky who have all debuted on the lists for the first time, in addition to my old war horse Neville. I was also glad to see that my assistant rider, Caitlin Silliman, has been placed on the Developing Rider list with her horse Catch a Star.

Obviously there are a couple of big names absent from the list including my Olympic horse, Otis Barbotiere. I think it was a fair call by the USEF leaving Otis off these lists as he is still in the final stages of his rehabilitation from the Games. He is trotting up sound and is currently hacking for 40 minutes twice a day on the roads. He may or may not be back in time for Kentucky this year, but there are also Luhmuhlen and Pau on the 2013 calendar, both of which would suit him perfectly. I'm in no hurry to accelerate his comeback to have him ready for winter training sessions, as I want to make sure he is 110% healthy before putting him back into intense work.

I believe the lists of the horses and riders is a strong group for the future. There are a lot of new names of riders and horses that will be very relevant coming into the Normandy 2014 WEG. At the end of the day, lists are just lists. I remember being disappointed when Remington wasn't on any list at the beginning of this year, and he ended up being a reserve horse in waiting at Greewich Park on trot up day.

-Boyd

Quick Review: Outdoors Grub

The reviews I have done this year of de-hydrated and freeze dried meals have been purchased from one retailer. I had been reluctant to mention a specific retailer, but an experience this week has changed my mind.

http://www.forgottentracks.blogspot.co.uk/search/label/Meal%20Reviews

I have some plans for January, on a walking front, as long as the weather complies. Part of which is testing some water heating systems. So to make the project more interesting I thought I would purchase some nice freeze dried meals. I placed the order with Outdoors Grub on Friday 21st December with hopes that the packs would arrive maybe late next week. The website warned that no meal order would arrive before Christmas. What a shock when my order arrived this morning, Saturday 22nd December.

I'm not saying they will always deliver the next day, but I have to say the service from Outdoors Grub is always very swift. I have no connection to their company, but I think it's worth pointing out reliable retailers that are internet based. It's good to know that when you click on that 'Confirm Order' icon that you haven't just thrown you're money away on an unreliable retailer.


http://outdoorsgrub.co.uk/products.php

Boyd and Four Horses Named to 2013 Eventing High Performance Spring Training Lists

 We are excited to announce that Boyd has been named to the 2013 US Eventing High Performance Spring Training Lists with the following four horses:

World Class

Boyd Martin (Cochranville, PA) and Trading Aces, LLC's Trading Aces
Trading Aces is a 2004 Irish Sport Horse gelding


Photo of Trading Aces from EventingNation.com
 

National List


Boyd Martin (Cochranville, PA) and Colin Davidson and Lucy Boynton's Cracker Jack
Cracker Jack is a 2003 Thoroughbred gelding


Cracker Jack
Boyd Martin (Cochranville, PA) and Stephen Blauner's Master Frisky
Master Frisky is a 2004 Irish Sport Horse gelding


Photo of Master Frisky from EventinNation.com
 Boyd Martin (Cochranville, PA) and Neville Bardos Syndicate's Neville Bardos
Neville Bardos is a 1999 Thoroughbred gelding


Neville Bardos photo from USEventing.com
 According to the USEF, The Global Talent and World Class combinations will be participating in training sessions with Chef d'Equipe David O'Connor in Aiken, South Carolina, Gilroy and Temecula, California or Ocala, Florida. These combinations will also receive training allowances for individual coaching.

National Listed combinations will be invited to participate in training sessions when time is available. Additionally, combinations on all three lists will have continuous access to coaching by O'Connor throughout the season.

The following dates and locations have been determined for the 2013 Winter Training Sessions: (subject to change)

January 21-24 at Flying Tail Farms at Red Fox Farm in Gilroy, CA (in conjunction with the 2013 Developing Rider/Eventing 25 session)

February 2-3 at Headley Stud in Berkshire, UK

February 6-8 at Meredyth South in Ocala, FL

February 12-14 at Stable View Farm in Aiken, SC

February 20-21 at Flying Tail Farms in Gilroy, CA

February 26-27 at Stable View Farm in Aiken, SC

March 4-5 at Meredyth South in Ocala, FL

March 18-19 at Stable View Farm in Aiken, SC

March 26-27 at Galway Downs in Temecula, CA


The Shires and the Thoroughbreds of Academia

Flickr Image under CC by audi_insperation
For the holidays, I hope you will enjoy some lighter reading.

Recently I came to realize that there are two archetypal workhorses in academia: the shires and the thoroughbreds.

Let's look at their characteristics:

The Shire

Known for its strength, constitution, and endurance, the Shire horse is known as an English ‘Great Horse’ and is one of the purest breeds native to the country.

Temperament: Patient; Calm; Docile; Easy-going; Gentle; Hard working.

The Thoroughbred

Thoroughbreds are considered one of the best racing breeds in the world. The breed is well known for its speed, agility, endurance and hotblooded nature.

Temperament: Courageous, alert, spirited, excitable, fast, athletic.

Does that sound familiar to you? Do you consider yourself a shire or a thoroughbred?

Super Owner Amy Lindgren Visits Her Horses



Amy Lindgren, a loyal owner and supporter of Boyd's, was out at our farm yesterday to visit with her horses and watch them jump. Amy has been generous enough, and I have been lucky enough, to have the opportunity to ride Minotaure du Passior, Amy's 12 year old Selle Francais gelding. This has been a wonderful opportunity for me, giving me the chance to ride a horse who really knows his job. "Min" has a heart of gold, and is always eager for work. Amy, the ultimate horsewoman, retired Min from competition after he won the CCI* at Bromont three years ago. Since then, Min has been enjoying life at Windurra, doing some light dressage work, going for long hacks on the nearby Runnymede hills, but has most recently returned to his one of his favorite activities, jumping. Boyd has also been hunting Min with the Cheshire Hunt this season, and Min has shown his aptitude as a true hunt horse, enjoying every minute of it.

Amy also has been supportive of the breeding that Boyd has done in Australia, importing two of his three year olds last winter and buying half shares in each of them. Ray Price and Wallaroo, both now four years old, have shown huge promise for their future eventing careers, easily understanding every lesson that they are taught and jumping small courses with ease. Both of these horses will spend the winter turned out in a huge pasture here in Pennsylvania, enjoying some much deserved time off after their first year on the job. They will continue with their training in the spring, after we return from Aiken with the fleet of competition horses.

I love when Amy comes out to watch her horses go; she has a very true love for each one of them and her happiness for spending time with them spreads throughout our barn. Thanks Amy for your support of these wonderful horses!

-Lindsey

Novas tecnologias de saneamento buscam reaproveitamento de água

Drenagem sustentável combate o desperdício e protege o meio ambiente

Tatsuo Shubo (Foto: Divulgação)Tatsuo Shubo explica técnicas de tratamento de
água e esgoto (Foto: Divulgação)
Um dos grandes problemas atuais nos centros urbanos é a questão do saneamento básico. Estudos internacionais mostram que a carência de água potável representa uma ameaça para a saúde e para o meio ambiente. No Brasil, o Artigo 3º da Lei nº 11.445/07 considera saneamento básico como o conjunto de serviços, infraestruturas e instalações operacionais de abastecimento de água potável, esgotamento sanitário, limpeza urbana, drenagem e manejo das águas pluviais.
“Ao se falar de abastecimento, esgotamento e drenagem, o cerne da questão é, fundamentalmente, água”, ressalta Tatsuo Shubo, assessor da vice-presidência de Ambiente, Atenção e Promoção da Saúde da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz).
Na maioria dos casos, a grande concentração populacional é a responsável pela forte pressão sobre os recursos hídricos, tanto em quantidade, quanto em qualidade. “A cada dia a água precisa ser captada mais longe, pois além da necessidade de volumes cada vez maiores, a qualidade da água decai vertiginosamente, aumentando os custos de tratamento”, explica Tatsuo.
Por conta disso, se torna cada vez mais necessário o desenvolvimento de novas técnicas e sistemas de tratamento de água e esgoto para atender às populações mais afetadas pela carência na distribuição de saneamento básico. Conheça algumas delas:
Reutilização da água: Por conta da distribuição desigual da água, muitas vezes, onde há água, não há tanta gente - por exemplo, na Amazônia - e onde há muita gente não há tanta disponibilidade hídrica – como na Região Sudeste do país. “Resta-nos usar a água com racionalidade, reutilizando este bem, sempre que possível”, observa Tatsuo. A reutilização da água precisa seguir critérios básicos: segurança à saúde, estética, proteção ambiental e viabilidade técnica e econômica. Uma forma que se destaca é o tratamento de esgoto de processos industriais, como os de produtos de carvão, petróleo, produção primária de metal, curtumes (onde se preparam couros e peles para industrializar), indústrias têxteis, químicas e de papel e celulose.
Outra forma é a conjugação do aproveitamento da água de chuva capitada em telhados e calhas com o reuso das águas cinzas – as que derivam de uso doméstico ou comercial, como de chuveiros, lavatórios de banheiro, banheiras, tanques, máquinas de lavar roupas e lavagem de autos –, que vai para um sistema de abastecimento paralelo ao da àgua potável. “Dada a imprevisibilidade da disponibilidade de chuvas, em atendimento aos critérios econômicos, torna-se mais viável a utilização deste sistema híbrido, que ajuda na redução da pressão hídrica e dos picos de enchentes nas cidades, além de proporcionar ganhos financeiros”, acrescenta Tatsuo.
Telhado verde (Foto: Divulgação/Renato Catiglia Feitosa/Fiocruz)Técnica de drenagem sustentável: telhado verde
(Foto: Divulgação/Renato Catiglia Feitosa)
Drenagem sustentável: A drenagem sustentável visa restabelecer parte das propriedades de absorção do solo por meio de técnicas que propiciam a infiltração da água de chuva, o que retarda os picos de cheia e aumenta a capacidade de recarga dos lençóis d’água. “Dentre as principais técnicas, podemos destacar, além dos telhados verdes, as trincheiras de infiltração, os jardins de chuva, os pavimentos permeáveis e os poços de infiltração”, exemplifica Tatsuo. Os telhados verdes, aliás, são os locais onde pesquisadores da Fiocruz fazem medições de redução de temperatura e retenção de água.
No Brasil, o uso de pavimentos permeáveis é tido como uma das principais técnicas de drenagem sustentável, apesar de ter custo em torno de 10% maior a tecnologia convencional. Basicamente, este sistema é composto de uma série de elementos vazados que, quando assentados, permitem que a água penetre nos espaços vazios e atinja o solo. “Suas principais vantagens são a redução do escoamento superficial, a melhoria das condições de evapotranspiração e a consequente redução das ilhas de calor”, ressalta Tatsuo.
Tratamento de esgoto (Foto: Divulgação/Fiocruz)Tratamento de esgoto aeróbio e esgoto tratado na
Fiocruz (Foto: Divulgação/Fiocruz)
Tratamento aeróbio e anaeróbio de esgoto: Em grandes cidades, o tratamento de esgotos domésticos é normalmente o lodo ativado. O trabalho consiste em um sistema no qual uma massa biológica cresce, forma flocos e é continuamente recirculada e colocada em contato com a matéria orgânica sempre com a presença de oxigênio – tratamento aeróbio. Esse processo acontece em unidades chamadas tanques de aeração, para onde o esgosto é levado. Nesses tanques, o ar é insuflado para manter um nível alto de oxigênio, o que faz as bactérias aeróbias agirem.
“O efluente desse reator, chamado lodo, é enviado para o decantador secundário, onde a parte sólida é separada do esgoto tratado. O lodo sedimentado retorna ao tanque de aeração ou é retirado para tratamento específico. Em média, esse processo remove entre 90% e 99% dos poluentes orgânicos presentes no esgoto”, explica Tatsuo.
Por sua vez, as cidades de pequeno e médio porte adotam, tradicionalmente, os sistemas anaeróbios, nos quais o consumo de energia se restringe basicamente ao bombeamento dos efluentes de esgoto, uma vez que não é necessário inserir oxigênio no processo. “A eficiência também é alta, atingindo patamares superiores à 85% de remoção de carga orgânica. Tanto os sistemas aeróbios, quanto os anaeróbios apresentam variantes nos processos, procurando adaptá-los às realidades locais e às necessidades de qualidade do efluente lançado”, completa

Novas tecnologias de saneamento buscam reaproveitamento de água

Drenagem sustentável combate o desperdício e protege o meio ambiente


Tatsuo Shubo (Foto: Divulgação)Tatsuo Shubo explica técnicas de tratamento de
água e esgoto (Foto: Divulgação)
Um dos grandes problemas atuais nos centros urbanos é a questão do saneamento básico. Estudos internacionais mostram que a carência de água potável representa uma ameaça para a saúde e para o meio ambiente. No Brasil, o Artigo 3º da Lei nº 11.445/07 considera saneamento básico como o conjunto de serviços, infraestruturas e instalações operacionais de abastecimento de água potável, esgotamento sanitário, limpeza urbana, drenagem e manejo das águas pluviais.
“Ao se falar de abastecimento, esgotamento e drenagem, o cerne da questão é, fundamentalmente, água”, ressalta Tatsuo Shubo, assessor da vice-presidência de Ambiente, Atenção e Promoção da Saúde da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz).
Na maioria dos casos, a grande concentração populacional é a responsável pela forte pressão sobre os recursos hídricos, tanto em quantidade, quanto em qualidade. “A cada dia a água precisa ser captada mais longe, pois além da necessidade de volumes cada vez maiores, a qualidade da água decai vertiginosamente, aumentando os custos de tratamento”, explica Tatsuo.
Por conta disso, se torna cada vez mais necessário o desenvolvimento de novas técnicas e sistemas de tratamento de água e esgoto para atender às populações mais afetadas pela carência na distribuição de saneamento básico. Conheça algumas delas:
Reutilização da água: Por conta da distribuição desigual da água, muitas vezes, onde há água, não há tanta gente - por exemplo, na Amazônia - e onde há muita gente não há tanta disponibilidade hídrica – como na Região Sudeste do país. “Resta-nos usar a água com racionalidade, reutilizando este bem, sempre que possível”, observa Tatsuo. A reutilização da água precisa seguir critérios básicos: segurança à saúde, estética, proteção ambiental e viabilidade técnica e econômica. Uma forma que se destaca é o tratamento de esgoto de processos industriais, como os de produtos de carvão, petróleo, produção primária de metal, curtumes (onde se preparam couros e peles para industrializar), indústrias têxteis, químicas e de papel e celulose.
Outra forma é a conjugação do aproveitamento da água de chuva capitada em telhados e calhas com o reuso das águas cinzas – as que derivam de uso doméstico ou comercial, como de chuveiros, lavatórios de banheiro, banheiras, tanques, máquinas de lavar roupas e lavagem de autos –, que vai para um sistema de abastecimento paralelo ao da àgua potável. “Dada a imprevisibilidade da disponibilidade de chuvas, em atendimento aos critérios econômicos, torna-se mais viável a utilização deste sistema híbrido, que ajuda na redução da pressão hídrica e dos picos de enchentes nas cidades, além de proporcionar ganhos financeiros”, acrescenta Tatsuo.
Telhado verde (Foto: Divulgação/Renato Catiglia Feitosa/Fiocruz)Técnica de drenagem sustentável: telhado verde
(Foto: Divulgação/Renato Catiglia Feitosa)
Drenagem sustentável: A drenagem sustentável visa restabelecer parte das propriedades de absorção do solo por meio de técnicas que propiciam a infiltração da água de chuva, o que retarda os picos de cheia e aumenta a capacidade de recarga dos lençóis d’água. “Dentre as principais técnicas, podemos destacar, além dos telhados verdes, as trincheiras de infiltração, os jardins de chuva, os pavimentos permeáveis e os poços de infiltração”, exemplifica Tatsuo. Os telhados verdes, aliás, são os locais onde pesquisadores da Fiocruz fazem medições de redução de temperatura e retenção de água.
No Brasil, o uso de pavimentos permeáveis é tido como uma das principais técnicas de drenagem sustentável, apesar de ter custo em torno de 10% maior a tecnologia convencional. Basicamente, este sistema é composto de uma série de elementos vazados que, quando assentados, permitem que a água penetre nos espaços vazios e atinja o solo. “Suas principais vantagens são a redução do escoamento superficial, a melhoria das condições de evapotranspiração e a consequente redução das ilhas de calor”, ressalta Tatsuo.
Tratamento de esgoto (Foto: Divulgação/Fiocruz)Tratamento de esgoto aeróbio e esgoto tratado na
Fiocruz (Foto: Divulgação/Fiocruz)
Tratamento aeróbio e anaeróbio de esgoto: Em grandes cidades, o tratamento de esgotos domésticos é normalmente o lodo ativado. O trabalho consiste em um sistema no qual uma massa biológica cresce, forma flocos e é continuamente recirculada e colocada em contato com a matéria orgânica sempre com a presença de oxigênio – tratamento aeróbio. Esse processo acontece em unidades chamadas tanques de aeração, para onde o esgosto é levado. Nesses tanques, o ar é insuflado para manter um nível alto de oxigênio, o que faz as bactérias aeróbias agirem.
“O efluente desse reator, chamado lodo, é enviado para o decantador secundário, onde a parte sólida é separada do esgoto tratado. O lodo sedimentado retorna ao tanque de aeração ou é retirado para tratamento específico. Em média, esse processo remove entre 90% e 99% dos poluentes orgânicos presentes no esgoto”, explica Tatsuo.
Por sua vez, as cidades de pequeno e médio porte adotam, tradicionalmente, os sistemas anaeróbios, nos quais o consumo de energia se restringe basicamente ao bombeamento dos efluentes de esgoto, uma vez que não é necessário inserir oxigênio no processo. “A eficiência também é alta, atingindo patamares superiores à 85% de remoção de carga orgânica. Tanto os sistemas aeróbios, quanto os anaeróbios apresentam variantes nos processos, procurando adaptá-los às realidades locais e às necessidades de qualidade do efluente lançado”, completa.

Novas tecnologias de saneamento buscam reaproveitamento de água

Drenagem sustentável combate o desperdício e protege o meio ambiente


Tatsuo Shubo (Foto: Divulgação)Tatsuo Shubo explica técnicas de tratamento de
água e esgoto (Foto: Divulgação)
Um dos grandes problemas atuais nos centros urbanos é a questão do saneamento básico. Estudos internacionais mostram que a carência de água potável representa uma ameaça para a saúde e para o meio ambiente. No Brasil, o Artigo 3º da Lei nº 11.445/07 considera saneamento básico como o conjunto de serviços, infraestruturas e instalações operacionais de abastecimento de água potável, esgotamento sanitário, limpeza urbana, drenagem e manejo das águas pluviais.
“Ao se falar de abastecimento, esgotamento e drenagem, o cerne da questão é, fundamentalmente, água”, ressalta Tatsuo Shubo, assessor da vice-presidência de Ambiente, Atenção e Promoção da Saúde da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz).
Na maioria dos casos, a grande concentração populacional é a responsável pela forte pressão sobre os recursos hídricos, tanto em quantidade, quanto em qualidade. “A cada dia a água precisa ser captada mais longe, pois além da necessidade de volumes cada vez maiores, a qualidade da água decai vertiginosamente, aumentando os custos de tratamento”, explica Tatsuo.
Por conta disso, se torna cada vez mais necessário o desenvolvimento de novas técnicas e sistemas de tratamento de água e esgoto para atender às populações mais afetadas pela carência na distribuição de saneamento básico. Conheça algumas delas:
Reutilização da água: Por conta da distribuição desigual da água, muitas vezes, onde há água, não há tanta gente - por exemplo, na Amazônia - e onde há muita gente não há tanta disponibilidade hídrica – como na Região Sudeste do país. “Resta-nos usar a água com racionalidade, reutilizando este bem, sempre que possível”, observa Tatsuo. A reutilização da água precisa seguir critérios básicos: segurança à saúde, estética, proteção ambiental e viabilidade técnica e econômica. Uma forma que se destaca é o tratamento de esgoto de processos industriais, como os de produtos de carvão, petróleo, produção primária de metal, curtumes (onde se preparam couros e peles para industrializar), indústrias têxteis, químicas e de papel e celulose.
Outra forma é a conjugação do aproveitamento da água de chuva capitada em telhados e calhas com o reuso das águas cinzas – as que derivam de uso doméstico ou comercial, como de chuveiros, lavatórios de banheiro, banheiras, tanques, máquinas de lavar roupas e lavagem de autos –, que vai para um sistema de abastecimento paralelo ao da àgua potável. “Dada a imprevisibilidade da disponibilidade de chuvas, em atendimento aos critérios econômicos, torna-se mais viável a utilização deste sistema híbrido, que ajuda na redução da pressão hídrica e dos picos de enchentes nas cidades, além de proporcionar ganhos financeiros”, acrescenta Tatsuo.
Telhado verde (Foto: Divulgação/Renato Catiglia Feitosa/Fiocruz)Técnica de drenagem sustentável: telhado verde
(Foto: Divulgação/Renato Catiglia Feitosa)
Drenagem sustentável: A drenagem sustentável visa restabelecer parte das propriedades de absorção do solo por meio de técnicas que propiciam a infiltração da água de chuva, o que retarda os picos de cheia e aumenta a capacidade de recarga dos lençóis d’água. “Dentre as principais técnicas, podemos destacar, além dos telhados verdes, as trincheiras de infiltração, os jardins de chuva, os pavimentos permeáveis e os poços de infiltração”, exemplifica Tatsuo. Os telhados verdes, aliás, são os locais onde pesquisadores da Fiocruz fazem medições de redução de temperatura e retenção de água.
No Brasil, o uso de pavimentos permeáveis é tido como uma das principais técnicas de drenagem sustentável, apesar de ter custo em torno de 10% maior a tecnologia convencional. Basicamente, este sistema é composto de uma série de elementos vazados que, quando assentados, permitem que a água penetre nos espaços vazios e atinja o solo. “Suas principais vantagens são a redução do escoamento superficial, a melhoria das condições de evapotranspiração e a consequente redução das ilhas de calor”, ressalta Tatsuo.
Tratamento de esgoto (Foto: Divulgação/Fiocruz)Tratamento de esgoto aeróbio e esgoto tratado na
Fiocruz (Foto: Divulgação/Fiocruz)
Tratamento aeróbio e anaeróbio de esgoto: Em grandes cidades, o tratamento de esgotos domésticos é normalmente o lodo ativado. O trabalho consiste em um sistema no qual uma massa biológica cresce, forma flocos e é continuamente recirculada e colocada em contato com a matéria orgânica sempre com a presença de oxigênio – tratamento aeróbio. Esse processo acontece em unidades chamadas tanques de aeração, para onde o esgosto é levado. Nesses tanques, o ar é insuflado para manter um nível alto de oxigênio, o que faz as bactérias aeróbias agirem.
“O efluente desse reator, chamado lodo, é enviado para o decantador secundário, onde a parte sólida é separada do esgoto tratado. O lodo sedimentado retorna ao tanque de aeração ou é retirado para tratamento específico. Em média, esse processo remove entre 90% e 99% dos poluentes orgânicos presentes no esgoto”, explica Tatsuo.
Por sua vez, as cidades de pequeno e médio porte adotam, tradicionalmente, os sistemas anaeróbios, nos quais o consumo de energia se restringe basicamente ao bombeamento dos efluentes de esgoto, uma vez que não é necessário inserir oxigênio no processo. “A eficiência também é alta, atingindo patamares superiores à 85% de remoção de carga orgânica. Tanto os sistemas aeróbios, quanto os anaeróbios apresentam variantes nos processos, procurando adaptá-los às realidades locais e às necessidades de qualidade do efluente lançado”, completa.

Novas tecnologias de saneamento buscam reaproveitamento de água

Drenagem sustentável combate o desperdício e protege o meio ambiente


Tatsuo Shubo (Foto: Divulgação)Tatsuo Shubo explica técnicas de tratamento de
água e esgoto (Foto: Divulgação)
Um dos grandes problemas atuais nos centros urbanos é a questão do saneamento básico. Estudos internacionais mostram que a carência de água potável representa uma ameaça para a saúde e para o meio ambiente. No Brasil, o Artigo 3º da Lei nº 11.445/07 considera saneamento básico como o conjunto de serviços, infraestruturas e instalações operacionais de abastecimento de água potável, esgotamento sanitário, limpeza urbana, drenagem e manejo das águas pluviais.
“Ao se falar de abastecimento, esgotamento e drenagem, o cerne da questão é, fundamentalmente, água”, ressalta Tatsuo Shubo, assessor da vice-presidência de Ambiente, Atenção e Promoção da Saúde da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz).
Na maioria dos casos, a grande concentração populacional é a responsável pela forte pressão sobre os recursos hídricos, tanto em quantidade, quanto em qualidade. “A cada dia a água precisa ser captada mais longe, pois além da necessidade de volumes cada vez maiores, a qualidade da água decai vertiginosamente, aumentando os custos de tratamento”, explica Tatsuo.
Por conta disso, se torna cada vez mais necessário o desenvolvimento de novas técnicas e sistemas de tratamento de água e esgoto para atender às populações mais afetadas pela carência na distribuição de saneamento básico. Conheça algumas delas:
Reutilização da água: Por conta da distribuição desigual da água, muitas vezes, onde há água, não há tanta gente - por exemplo, na Amazônia - e onde há muita gente não há tanta disponibilidade hídrica – como na Região Sudeste do país. “Resta-nos usar a água com racionalidade, reutilizando este bem, sempre que possível”, observa Tatsuo. A reutilização da água precisa seguir critérios básicos: segurança à saúde, estética, proteção ambiental e viabilidade técnica e econômica. Uma forma que se destaca é o tratamento de esgoto de processos industriais, como os de produtos de carvão, petróleo, produção primária de metal, curtumes (onde se preparam couros e peles para industrializar), indústrias têxteis, químicas e de papel e celulose.
Outra forma é a conjugação do aproveitamento da água de chuva capitada em telhados e calhas com o reuso das águas cinzas – as que derivam de uso doméstico ou comercial, como de chuveiros, lavatórios de banheiro, banheiras, tanques, máquinas de lavar roupas e lavagem de autos –, que vai para um sistema de abastecimento paralelo ao da àgua potável. “Dada a imprevisibilidade da disponibilidade de chuvas, em atendimento aos critérios econômicos, torna-se mais viável a utilização deste sistema híbrido, que ajuda na redução da pressão hídrica e dos picos de enchentes nas cidades, além de proporcionar ganhos financeiros”, acrescenta Tatsuo.
Telhado verde (Foto: Divulgação/Renato Catiglia Feitosa/Fiocruz)Técnica de drenagem sustentável: telhado verde
(Foto: Divulgação/Renato Catiglia Feitosa)
Drenagem sustentável: A drenagem sustentável visa restabelecer parte das propriedades de absorção do solo por meio de técnicas que propiciam a infiltração da água de chuva, o que retarda os picos de cheia e aumenta a capacidade de recarga dos lençóis d’água. “Dentre as principais técnicas, podemos destacar, além dos telhados verdes, as trincheiras de infiltração, os jardins de chuva, os pavimentos permeáveis e os poços de infiltração”, exemplifica Tatsuo. Os telhados verdes, aliás, são os locais onde pesquisadores da Fiocruz fazem medições de redução de temperatura e retenção de água.
No Brasil, o uso de pavimentos permeáveis é tido como uma das principais técnicas de drenagem sustentável, apesar de ter custo em torno de 10% maior a tecnologia convencional. Basicamente, este sistema é composto de uma série de elementos vazados que, quando assentados, permitem que a água penetre nos espaços vazios e atinja o solo. “Suas principais vantagens são a redução do escoamento superficial, a melhoria das condições de evapotranspiração e a consequente redução das ilhas de calor”, ressalta Tatsuo.
Tratamento de esgoto (Foto: Divulgação/Fiocruz)Tratamento de esgoto aeróbio e esgoto tratado na
Fiocruz (Foto: Divulgação/Fiocruz)
Tratamento aeróbio e anaeróbio de esgoto: Em grandes cidades, o tratamento de esgotos domésticos é normalmente o lodo ativado. O trabalho consiste em um sistema no qual uma massa biológica cresce, forma flocos e é continuamente recirculada e colocada em contato com a matéria orgânica sempre com a presença de oxigênio – tratamento aeróbio. Esse processo acontece em unidades chamadas tanques de aeração, para onde o esgosto é levado. Nesses tanques, o ar é insuflado para manter um nível alto de oxigênio, o que faz as bactérias aeróbias agirem.
“O efluente desse reator, chamado lodo, é enviado para o decantador secundário, onde a parte sólida é separada do esgoto tratado. O lodo sedimentado retorna ao tanque de aeração ou é retirado para tratamento específico. Em média, esse processo remove entre 90% e 99% dos poluentes orgânicos presentes no esgoto”, explica Tatsuo.
Por sua vez, as cidades de pequeno e médio porte adotam, tradicionalmente, os sistemas anaeróbios, nos quais o consumo de energia se restringe basicamente ao bombeamento dos efluentes de esgoto, uma vez que não é necessário inserir oxigênio no processo. “A eficiência também é alta, atingindo patamares superiores à 85% de remoção de carga orgânica. Tanto os sistemas aeróbios, quanto os anaeróbios apresentam variantes nos processos, procurando adaptá-los às realidades locais e às necessidades de qualidade do efluente lançado”, completa.

Novas tecnologias de saneamento buscam reaproveitamento de água

Drenagem sustentável combate o desperdício e protege o meio ambiente


Tatsuo Shubo (Foto: Divulgação)Tatsuo Shubo explica técnicas de tratamento de
água e esgoto (Foto: Divulgação)
Um dos grandes problemas atuais nos centros urbanos é a questão do saneamento básico. Estudos internacionais mostram que a carência de água potável representa uma ameaça para a saúde e para o meio ambiente. No Brasil, o Artigo 3º da Lei nº 11.445/07 considera saneamento básico como o conjunto de serviços, infraestruturas e instalações operacionais de abastecimento de água potável, esgotamento sanitário, limpeza urbana, drenagem e manejo das águas pluviais.
“Ao se falar de abastecimento, esgotamento e drenagem, o cerne da questão é, fundamentalmente, água”, ressalta Tatsuo Shubo, assessor da vice-presidência de Ambiente, Atenção e Promoção da Saúde da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz).
Na maioria dos casos, a grande concentração populacional é a responsável pela forte pressão sobre os recursos hídricos, tanto em quantidade, quanto em qualidade. “A cada dia a água precisa ser captada mais longe, pois além da necessidade de volumes cada vez maiores, a qualidade da água decai vertiginosamente, aumentando os custos de tratamento”, explica Tatsuo.
Por conta disso, se torna cada vez mais necessário o desenvolvimento de novas técnicas e sistemas de tratamento de água e esgoto para atender às populações mais afetadas pela carência na distribuição de saneamento básico. Conheça algumas delas:
Reutilização da água: Por conta da distribuição desigual da água, muitas vezes, onde há água, não há tanta gente - por exemplo, na Amazônia - e onde há muita gente não há tanta disponibilidade hídrica – como na Região Sudeste do país. “Resta-nos usar a água com racionalidade, reutilizando este bem, sempre que possível”, observa Tatsuo. A reutilização da água precisa seguir critérios básicos: segurança à saúde, estética, proteção ambiental e viabilidade técnica e econômica. Uma forma que se destaca é o tratamento de esgoto de processos industriais, como os de produtos de carvão, petróleo, produção primária de metal, curtumes (onde se preparam couros e peles para industrializar), indústrias têxteis, químicas e de papel e celulose.
Outra forma é a conjugação do aproveitamento da água de chuva capitada em telhados e calhas com o reuso das águas cinzas – as que derivam de uso doméstico ou comercial, como de chuveiros, lavatórios de banheiro, banheiras, tanques, máquinas de lavar roupas e lavagem de autos –, que vai para um sistema de abastecimento paralelo ao da àgua potável. “Dada a imprevisibilidade da disponibilidade de chuvas, em atendimento aos critérios econômicos, torna-se mais viável a utilização deste sistema híbrido, que ajuda na redução da pressão hídrica e dos picos de enchentes nas cidades, além de proporcionar ganhos financeiros”, acrescenta Tatsuo.
Telhado verde (Foto: Divulgação/Renato Catiglia Feitosa/Fiocruz)Técnica de drenagem sustentável: telhado verde
(Foto: Divulgação/Renato Catiglia Feitosa)
Drenagem sustentável: A drenagem sustentável visa restabelecer parte das propriedades de absorção do solo por meio de técnicas que propiciam a infiltração da água de chuva, o que retarda os picos de cheia e aumenta a capacidade de recarga dos lençóis d’água. “Dentre as principais técnicas, podemos destacar, além dos telhados verdes, as trincheiras de infiltração, os jardins de chuva, os pavimentos permeáveis e os poços de infiltração”, exemplifica Tatsuo. Os telhados verdes, aliás, são os locais onde pesquisadores da Fiocruz fazem medições de redução de temperatura e retenção de água.
No Brasil, o uso de pavimentos permeáveis é tido como uma das principais técnicas de drenagem sustentável, apesar de ter custo em torno de 10% maior a tecnologia convencional. Basicamente, este sistema é composto de uma série de elementos vazados que, quando assentados, permitem que a água penetre nos espaços vazios e atinja o solo. “Suas principais vantagens são a redução do escoamento superficial, a melhoria das condições de evapotranspiração e a consequente redução das ilhas de calor”, ressalta Tatsuo.
Tratamento de esgoto (Foto: Divulgação/Fiocruz)Tratamento de esgoto aeróbio e esgoto tratado na
Fiocruz (Foto: Divulgação/Fiocruz)
Tratamento aeróbio e anaeróbio de esgoto: Em grandes cidades, o tratamento de esgotos domésticos é normalmente o lodo ativado. O trabalho consiste em um sistema no qual uma massa biológica cresce, forma flocos e é continuamente recirculada e colocada em contato com a matéria orgânica sempre com a presença de oxigênio – tratamento aeróbio. Esse processo acontece em unidades chamadas tanques de aeração, para onde o esgosto é levado. Nesses tanques, o ar é insuflado para manter um nível alto de oxigênio, o que faz as bactérias aeróbias agirem.
“O efluente desse reator, chamado lodo, é enviado para o decantador secundário, onde a parte sólida é separada do esgoto tratado. O lodo sedimentado retorna ao tanque de aeração ou é retirado para tratamento específico. Em média, esse processo remove entre 90% e 99% dos poluentes orgânicos presentes no esgoto”, explica Tatsuo.
Por sua vez, as cidades de pequeno e médio porte adotam, tradicionalmente, os sistemas anaeróbios, nos quais o consumo de energia se restringe basicamente ao bombeamento dos efluentes de esgoto, uma vez que não é necessário inserir oxigênio no processo. “A eficiência também é alta, atingindo patamares superiores à 85% de remoção de carga orgânica. Tanto os sistemas aeróbios, quanto os anaeróbios apresentam variantes nos processos, procurando adaptá-los às realidades locais e às necessidades de qualidade do efluente lançado”, completa.

Novas tecnologias de saneamento buscam reaproveitamento de água

Drenagem sustentável combate o desperdício e protege o meio ambiente


Tatsuo Shubo (Foto: Divulgação)Tatsuo Shubo explica técnicas de tratamento de
água e esgoto (Foto: Divulgação)
Um dos grandes problemas atuais nos centros urbanos é a questão do saneamento básico. Estudos internacionais mostram que a carência de água potável representa uma ameaça para a saúde e para o meio ambiente. No Brasil, o Artigo 3º da Lei nº 11.445/07 considera saneamento básico como o conjunto de serviços, infraestruturas e instalações operacionais de abastecimento de água potável, esgotamento sanitário, limpeza urbana, drenagem e manejo das águas pluviais.
“Ao se falar de abastecimento, esgotamento e drenagem, o cerne da questão é, fundamentalmente, água”, ressalta Tatsuo Shubo, assessor da vice-presidência de Ambiente, Atenção e Promoção da Saúde da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz).
Na maioria dos casos, a grande concentração populacional é a responsável pela forte pressão sobre os recursos hídricos, tanto em quantidade, quanto em qualidade. “A cada dia a água precisa ser captada mais longe, pois além da necessidade de volumes cada vez maiores, a qualidade da água decai vertiginosamente, aumentando os custos de tratamento”, explica Tatsuo.
Por conta disso, se torna cada vez mais necessário o desenvolvimento de novas técnicas e sistemas de tratamento de água e esgoto para atender às populações mais afetadas pela carência na distribuição de saneamento básico. Conheça algumas delas:
Reutilização da água: Por conta da distribuição desigual da água, muitas vezes, onde há água, não há tanta gente - por exemplo, na Amazônia - e onde há muita gente não há tanta disponibilidade hídrica – como na Região Sudeste do país. “Resta-nos usar a água com racionalidade, reutilizando este bem, sempre que possível”, observa Tatsuo. A reutilização da água precisa seguir critérios básicos: segurança à saúde, estética, proteção ambiental e viabilidade técnica e econômica. Uma forma que se destaca é o tratamento de esgoto de processos industriais, como os de produtos de carvão, petróleo, produção primária de metal, curtumes (onde se preparam couros e peles para industrializar), indústrias têxteis, químicas e de papel e celulose.
Outra forma é a conjugação do aproveitamento da água de chuva capitada em telhados e calhas com o reuso das águas cinzas – as que derivam de uso doméstico ou comercial, como de chuveiros, lavatórios de banheiro, banheiras, tanques, máquinas de lavar roupas e lavagem de autos –, que vai para um sistema de abastecimento paralelo ao da àgua potável. “Dada a imprevisibilidade da disponibilidade de chuvas, em atendimento aos critérios econômicos, torna-se mais viável a utilização deste sistema híbrido, que ajuda na redução da pressão hídrica e dos picos de enchentes nas cidades, além de proporcionar ganhos financeiros”, acrescenta Tatsuo.
Telhado verde (Foto: Divulgação/Renato Catiglia Feitosa/Fiocruz)Técnica de drenagem sustentável: telhado verde
(Foto: Divulgação/Renato Catiglia Feitosa)
Drenagem sustentável: A drenagem sustentável visa restabelecer parte das propriedades de absorção do solo por meio de técnicas que propiciam a infiltração da água de chuva, o que retarda os picos de cheia e aumenta a capacidade de recarga dos lençóis d’água. “Dentre as principais técnicas, podemos destacar, além dos telhados verdes, as trincheiras de infiltração, os jardins de chuva, os pavimentos permeáveis e os poços de infiltração”, exemplifica Tatsuo. Os telhados verdes, aliás, são os locais onde pesquisadores da Fiocruz fazem medições de redução de temperatura e retenção de água.
No Brasil, o uso de pavimentos permeáveis é tido como uma das principais técnicas de drenagem sustentável, apesar de ter custo em torno de 10% maior a tecnologia convencional. Basicamente, este sistema é composto de uma série de elementos vazados que, quando assentados, permitem que a água penetre nos espaços vazios e atinja o solo. “Suas principais vantagens são a redução do escoamento superficial, a melhoria das condições de evapotranspiração e a consequente redução das ilhas de calor”, ressalta Tatsuo.
Tratamento de esgoto (Foto: Divulgação/Fiocruz)Tratamento de esgoto aeróbio e esgoto tratado na
Fiocruz (Foto: Divulgação/Fiocruz)
Tratamento aeróbio e anaeróbio de esgoto: Em grandes cidades, o tratamento de esgotos domésticos é normalmente o lodo ativado. O trabalho consiste em um sistema no qual uma massa biológica cresce, forma flocos e é continuamente recirculada e colocada em contato com a matéria orgânica sempre com a presença de oxigênio – tratamento aeróbio. Esse processo acontece em unidades chamadas tanques de aeração, para onde o esgosto é levado. Nesses tanques, o ar é insuflado para manter um nível alto de oxigênio, o que faz as bactérias aeróbias agirem.
“O efluente desse reator, chamado lodo, é enviado para o decantador secundário, onde a parte sólida é separada do esgoto tratado. O lodo sedimentado retorna ao tanque de aeração ou é retirado para tratamento específico. Em média, esse processo remove entre 90% e 99% dos poluentes orgânicos presentes no esgoto”, explica Tatsuo.
Por sua vez, as cidades de pequeno e médio porte adotam, tradicionalmente, os sistemas anaeróbios, nos quais o consumo de energia se restringe basicamente ao bombeamento dos efluentes de esgoto, uma vez que não é necessário inserir oxigênio no processo. “A eficiência também é alta, atingindo patamares superiores à 85% de remoção de carga orgânica. Tanto os sistemas aeróbios, quanto os anaeróbios apresentam variantes nos processos, procurando adaptá-los às realidades locais e às necessidades de qualidade do efluente lançado”, completa.

Smart Materials, Made in Delft



 We’ve introduced Erik Schlangen as Professor “Experimental Micromechanics”. But what does that really mean, and where does he wants the research of his group to result in? In his own words: he wants their inventions to show up when you Google for “future materials”.


Now let’s consider for example concrete. With very simple and archaic tests, such as the slump test and the compressive test, engineers derive the properties to build our skyscrapers and bridges.



 
Nowadays, the requirements for concrete are much more complicated though. We can add steel fibers for better performance, reduce the amount of cement for a greener concrete and add retarders and superplastifiers to increase the workability. In the end, we have much more ingredients than the original sand, cement, stones with some water to make it fluid. So how representative are the very basic experiments that we use to derive the properties? Erik and his team aim at finding a way to explain how the material fails.


To explain how complex materials such as the improved concrete fail, better measurement techniques and testing machines are necessary, as well as detailed material models to support these tests. But these techniques and models not only allow the researchers to better understand existing materials – they help them to go one step further and develop better materials.

Very flexible materials, green concrete containing wood fibers, and materials that can heal themselves show us a way into the future, in which we tailor our materials to fit our requirements “a la carte”. Concrete that closes its cracks by using bacteria, and asphalt with steelwool fibers have already been invented by Erik and his colleagues, and now they are studying, amongst others, the fracture properties of graphite as used for the cores in nuclear reactors, and the properties on the interface between the stones and the cement in concrete, two different parts which can come apart.

And what will the future bring? Future materials in Google? One thing is for sure: Erik’s cheerful approach to smart materials reminds us of the eager explorations of our younger selves. Never grow up…

You can view Erik’s presentation at Civil Engineering on his professorship at Collegerama

This post originally appeared on the TEDx Delft website.

Silvester run in Azores archipelago

This weekend my athletics team was invited to participate in the Ponta Delgada Silvester run. This town is situated in S.Miguel island, in the mid-Atlantic Azores archipelago.

I had been ill almost all week but I got better from thursday on (the damn pediatrics urgencies kill my body with the latest winter/spring 2013 virus) so my performance would be a total suprise.

The race was tactical due to the wind. The 1st km was slowly ran in 3'14 by the  leaders, followed by lots of attacks. The moldovan Roman Prodius won in 29'56. I suffered a lot with my breathing and I did my worst 10k time in the last years, 32'43. However, Conforlimpa, my club, was still able to win as a team, ahead of Sporting CP and CUAB.


Apart from the race, I had a really good time in the cultural part of the weekend. Azores vulcanic sceneries are worth to visit and with sportspeople (wether from orienteering or athletics), you always have fun!!




(cooking in vulcanic boiling water)

What's next? Many lonely training weekends... February and the top-portuguese O'weeks are coming soon.

SILVA'S CHOICE: STUBBEN SADDLES!




Approximately a year ago Silva made the choice to start riding in Stübben saddles, a saddle company which is rich in history, and who has recently added an amazing line-up of saddle designs to their offerings. Stübben recently introduce Biomex technology into their saddle design, a technology in rider and horse comfort that truly addresses back pain and discomfort.  Since making these enhancements to their saddle design, Stübben's sales have been on fire!

Per Stübben's website:

"Stübben has partnered with Biomex* Technology Center at Klinic Gut, a leading hospital for orthopedics and sports medicine in Switzerland, to create an innovative seat design that can greatly reduce a rider’s back pain. Introducing the Patent Pending Stübben Biomex*... it will revolutionize your idea of a comfortable saddle."

Read more about the Biomex Technology HERE

"Build your own Saddle with the company that has over 100 years experience custom fitting saddles to horses and their riders. With the number one focus being the horse's comfort, Stubben saddles are built on the exclusive flexible spring tree.  Why? The flexible Spring Tree allows for optimum movement and therefore performance."

Silva recognizes the benefit of the flexible spring tree to her horses.  "My horses' backs have never been better, and I hardly have any back problems at all since I have been riding in my new saddle!!"  Silva Martin.

For more information on Stubben saddles and the flexible spring tree, visit http://stubbennorthamerica.com/index.php and set up your appointment to consult with one of their expert saddle fitters!

Affiliate Links and Sponsorship Opportunities

Some time ago, I stated clearly why I am blogging and that I don't intend to make any money from this. However, you might have noticed the Amazon recommendations in the side bar that have shown up recently, and the transitions of the Book Reviews with a random googled image to an image with an Amazon link.

As you might have understood, I started to use affiliate links to Amazon products. More precisely, if you purchase a book based on my recommendation, I receive a 4% commission on it, that I can use as Amazon store credit to buy me more books.

I'm still reviewing books independently, I  won't gush over something that I don't like just to talk people into buying it - but if you find the reviews helpful, you are welcome to support the website in this way.

Also, in order to cover the costs of a few features that I would like to build into the site, I'm willing to accept sponsorships from institutions that share my ideas on education and research.


New Saddle Pad from ECOGOLD



Boyd's new custom pad with navy trim
 ECOGOLD has created an exciting new saddle pad and Boyd's custom pad is hot off the presses. Here's a little sneak preview:

Underside of pad, showing the Coolmax layer & non-slip

The CoolFit Saddle Pad is ECOGOLD's latest innovation, combining a flexible shock absorption system with the most advanced moisture management and heat dissipation technology. Made with a COOLMAX® underside layer and unique air-flow vent system, ECOGOLD's CoolFit Saddle Pad is engineered to quickly dissipate heat and moisture away from the horse's body, providing a more comfortable ride. 

Vent system
It comes with 2 removable 100% breathable open cell and memory foam inserts that can be combined or used by themselves for the ideal impact protection and saddle fit without the need for additional layers. 
Removable layers
- No slipping, no sliding, no friction! It combines ECOGOLD's innovative Frictionless and Secure systems to prevent friction while keeping the saddle safely secure.
- Ergonomic design. The flaps do not have any padding to allow the closest contact and a more stable riding position.

Patricia from ECOGOLD said, "We compared our Coolmax fabric to other fabrics…all I can say is Shamwow!" 

Moisture test video: http://youtu.be/QqeObt5u710


Academic Lessons from The Story of Success

Malcolm Gladwell writes in Outliers: The Story of Success on what it takes to be successful in life and work, and he has some very interesting arguments that provide us valuable lessons on success in academia, or success in a PhD program.

The Roseto Mystery

In the introduction, we learn that inhabitants of the town Roseto live longer, healthier lives because they have such a closely-knit community. For a PhD project, it is important that you find your community of peers: your fellow students or an online community.

For a successful academic career, a good network in your field with fellow academicians and practitioners is important. You can build your network and visibility online and through conferences.

The 10,000-Hour Rule

What does it take to be a good professional? About 10,000 hours of practice, according to Gladwell. How does that translate to the PhD?

If you consider the average length of 3 to 4 years for a PhD course, you end up with on average 3,5 years of experience in research and writing.
At 65 hours per week, and 52 weeks per year, minus holidays and the time required to travel to conferences, an average student works about 65 hr/wk*(52 wk - 8 wk) per year.
The magic number of 10,000 hours then appears when you consider:  

3,5 yr * 65 hr/wk*(52 wk - 8 wk)= 10,000 hr

Does this calculation show us that you need 10,000 hours to master every skill in life?

I don't think so, just like Tim Ferriss thinks you don't need that much time to learn basketball technique. But to become a professional at something, for example, becoming a researcher, 10,000 hours in the apprenticeship time as a PhD Candidate seems feasible to me.

The Trouble with Geniuses

Another interesting aspect Gladwell discusses is the threshold level for intelligence. Success relates to your IQ, but only until a certain threshold.

You need to be smart enough for graduate studies, but once you go over the threshold IQ, there seems to be little difference between the smart kid and the slightly smarter kid.

What matters after the threshold are your other skills, and your savvy to negotiate and interact with others. Indeed, in academia, being smart is not enough - you need to learn your craft and your skills as well. 

The Three Lessons of Joe Flom

Joe Flom didn't take the typical path a lawyer in post-war New York followed, as the WASP lawyers in the large existing offices wouldn't hire the young Jewish graduate. Instead, he started working on different things.

If you are lucky enough to get hired by an institution with long academic standing, and be put on tenure track, you know what your road will look like.

But there are other options too, although less straight-forward. With my graduation in sight, and a lingering economic crisis worldwide, I might need to go with my axe into the woods and carve my own path.
 

Harlan, Kentucky

In rugged Appalachia, a "culture of honor" prevails, which -according to Gladwell- can still be found in the reactions of Southerners as compared to people from the Northern States.

If you move through the academic world and over the continents in pursuit of your academic career, you might find that cultural differences are very large. When you are new in a country, try to make friends with the locals.

When in doubt on how to handle situations (will someone be offended, is doing this polite or not, how do I bring up this issue?) ask your local trustee.
Even though I'm a Belgian in the Netherlands, I still sometimes need to ask a local if something is OK or not.

The Ethnic Theory of Plane Crashes

Along the same lines, if you move countries, try to find out if you are in a high-power distance or low-power distance community.

Understanding the cultural differences is essential in your path to academic success.

Rice Paddies and Math Tests

Hard work alone won't bring you success, but meaningful work with a close relation between work investment and resulting merit will help you move forward.
When it comes to research and problem-solving, an example of how Renee discovers that the slope of the y-axis is infinity shows the benefit of chewing through a problem until you really understand it.

Stretching your concentration and doing deep work are essential in moving forward in your field of expertise, and for meaningful publications.

Marita's Bargain

By sending children from poor low-income families to a very competitive school, the gap between these children and children from private schools becomes much smaller.

At my alma mater, Vrije Universiteit Brussel, engineering students have classes from 8am to 5pm daily, and are continuously stimulated to put great effort into their studies. The attitude I learned in Brussels has helped me through graduate school - I got used to start early and get studying, on a daily basis.

Gladwell's Outliers is a book I enjoyed reading very much, as it was on the Georgia Tech list of recommendations. In 3 days, I worked my way through it, and this book is written very well such that the act of reading felt relaxing, but at the same time I was learning and gathering new insights - great combination indeed!  

Disclaimer: The links to the book in this post are affiliate links: if you buy the book through my recommendation, I get a small percentage that I can spend to buy more books.